Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Grupo Mateus protocola oferta de ações na CVM para captar R$ 5 bilhões

Os recursos captados serão investidos na abertura de novas lojas.

Grupo Mateus espera investir em novas lojas (Foto: Divulgação)

O Grupo Mateus protocolou na CVM, na noite dessa sexta-feira (14), o prospecto preliminar de sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A varejista maranhense tentará captar R$ 4,1 bilhões em uma oferta primária (dinheiro indo pro caixa da companhia) em outubro, podendo chegar a R$ 5 bilhões caso os lotes adicional e suplementar forem vendidos.

O IPO do Mateus é um dos mais aguardados desta temporada de ofertas pelos gestores e, se for bem sucedido, vai coroar a trajetória de um self-made man. Órfão desde os 4 anos e criado pela avó, Ilson Mateus foi torneiro mecânico e trabalhou em Serra Pelada antes de fundar a empresa, há 34 anos. Apesar de bilionário, o empresário projeta imagem frugal, e a imprensa local já o flagrou circulando por São Luís em carros populares.

No ano passado, o grupo faturou R$ 9,9 bilhões e teve lucro líquido de R$ 338 milhões. O grupo tem 137 lojas físicas, sendo 29 atacarejos, 24 supermercados, 2 hipermercados, 66 lojas de eletroeletrônicos, 16 lojas de vizinhança e nove centros de distribuição. A operação se dá sob as bandeiras Mix Atacarejo, Supermercado Mateus, Eletro Mateus e Camiño Supermercados, além de uma plataforma de e-commerce.

— Seu principal atrativo é a estrutura competitiva que o grupo montou na região onde atua, que é uma espécie de fortaleza pra eles. Isso proporciona um crescimento e uma rentabilidade contínuos. Além disso, a companhia conseguiu criar uma estrutura de logística e de venda digital in house, o que é louvável — afirmou o gestor de uma asset carioca.

O grupo é totalmente familiar, com apenas quatro acionistas. Os recursos captados serão investidos na abertura de novas lojas.

Vão coordenar a oferta a XP Investimentos, que será líder, o Bradesco BBI, como agente estabilizador, o BTG Pactual, o Itaú BBA, o BB Investimentos, o Santander e o Safra.

Carregando