Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Governo do Maranhão apresenta resultados do estudo sorológico

Pesquisa aprofundada da pandemia no estado aponta que 40% da população já teve contato com o novo coronavírus

Secretário Carlos Lula apresentou resultado do estudo em coletiva (Foto: Reprodução)

No último dia 27 de julho, o governo do Maranhão deu início às pesquisas dos testes sorológicos para mapear o novo coronavírus no estado em 69 municípios. O estudo se estendeu até 7 de agosto, e, na manhã desta terça-feira, 25, o secretário da Saúde, Carlos Lula, apresentou os resultados, em coletiva à imprensa.

O estudo apontou 40,4% de soroprevalência (frequência de indivíduos numa população que apresentam um determinado elemento no soro sanguineo, anticorpo contra agente patogênico) no Maranhão. Ou seja, essa porcentagem da população já teve contato com a Covid-19.

“Em modelo de estimativa, cerca de três milhões de maranhenses já tiveram a doença. Isso traz uma série de consequências, pois muitos vão falar que estamos nos aproximando da imunidade coletiva, e então eu queria fazer o alerta que não podemos nos descuidar, apesar desse número de prevalência”, declarou o secretário Carlos Lula.

A primeira etapa da pesquisa envolveu os quatro municípios da Região Metropolitana de São Luís (Raposa, Paço do Lumiar, São José de Ribamar e São Luís), com 1.432.529 habitantes pesquisados.

Na segunda fase, 122 municípios participaram da pesquisa, com 1.516.205 pessoas analisadas. A terceira etapa da pesquisa englobou outras 85 cidades e contou com a participação de 3.193.525 habitantes. Seis municípios fizeram parte da última etapa do estudo, que terá uma segunda fase de testagem nos próximos 45 dias.

O principal objetivo do estudo sorológico é aferir o percentual das pessoas que já apresentam anticorpos contra a Covid-19 no Maranhão, além de saber a porcentagem da população que não apresentou infecção após testar positivo (os assintomáticos).

O estudo conta com parceria de pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Carregando