Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Hospital da Mulher volta a realizar cirurgias eletivas em São Luís

Antes de retomar outros procedimentos, a estrutura física da unidade de saúde recebeu protocolos de desinfecção

Hospital da Mulher em São Luís (Foto: Divulgação)

O Hospital da Mulher (HM), unidade de saúde da Prefeitura de São Luís, voltou a realizar, nesta semana, procedimentos cirúrgicos após ser destinado por quatro meses para atendimento exclusivo de pacientes diagnosticados com o novo coronavírus, tendo sido a referência da rede municipal para a doença.

Antes de retomar outros procedimentos, a estrutura física da unidade de saúde recebeu protocolos de desinfecção estabelecidos por órgãos sanitários para, assim, garantir a segurança de funcionários, pacientes e acompanhantes. De forma gradativa, desde segunda-feira (31 de agosto), a unidade passou a realizar novamente cirurgias gerais e ginecológicas.

Já os procedimentos neurológicos que, antes da pandemia, eram promovidos no local ainda terão que obedecer a protocolos estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que classifica o ato como complexo e que requer cuidados elevados após a Covid-19.

Neste momento estão sendo priorizados os procedimentos cujas marcações estavam pré-estabelecidas antes da determinação municipal de atendimento da unidade para casos de coronavírus. Por isso, os pacientes inicialmente foram comunicados via telefone para comparecerem à unidade e, desta forma, se submeterem a outros exames de praxe pré-cirúrgicos, como tomografia, exame de sangue e outros.

Após a realização dos exames pré-agendados, a direção do HM deverá se manifestar acerca da abertura de vagas para a marcação de novas cirurgias eletivas.

“Como estávamos atendendo, por determinação do prefeito Edivaldo, somente casos relativos à coronavírus na unidade, as cirurgias precisaram ser reagendadas. Nossa meta é atender a esta demanda reprimida para, em seguida, marcar novos procedimentos”, disse a secretária de Saúde de São Luís, Natália Mandarino.

Para atender ao público após a desativação da unidade para referência da Covid-19, o HM ofertará à população a mesma estrutura montada antes da pandemia. A unidade conta com 32 leitos cirúrgicos ginecológicos, além de 11 leitos de neurocirurgia e 10 leitos de UTI.

A inclusão de leitos de UTI foi anterior à pandemia e fez parte de uma ação de expansão no atendimento público da rede ludovicense, já que antes o Hospital da Mulher funcionava apenas como ambulatório.

No total, de acordo com dados da diretoria do HM, durante o período em que foi referência para o tratamento da Covid-19, 154 pessoas receberam alta e foram curadas entre abril e agosto deste ano. No mesmo período, foram registrados 76 óbitos.

Carregando