Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

UFMA está entre as melhores universidades do Brasil, segundo ranking internacional

Universidade Federal do Maranhão aparece como a 26ª melhor do país

(Foto: Reprodução)

O Times Higher Education (THE), um dos principais rankings universitários do mundo, divulgou hoje sua edição do Top 10 no mundo de 2021. Segundo o ranking, a melhor universidade do mundo é a de Oxford, no Reino Unido, em seguida, a Universidade Stanford, nos Estados Unidos e, em terceiro lugar, está a Universidade de Harvard, também nos Estados Unidos. Foram avaliadas 1.527 instituições de 93 países e regiões de todo o mundo.

No Brasil, anteriormente, eram avaliadas somente 46 instituições e, nesta edição, seis universidades a mais foram avaliadas, entre elas, a UFMA, que, agora passa a integrar as 52 instituições, e desse total, a Universidade Federal do Maranhão aparece como a 26ª melhor do país. A USP aparece na primeira posição. Logo em seguida, aparecem as Universidades de Campinas e Minas Gerais. Além da UFMA, também ingressaram as universidades de Sergipe, Juiz de Fora, da Paraíba, do Piauí e de Uberlândia.

São utilizados critérios como ensino, pesquisa, citações, visão internacional e transferência de conhecimento para a indústria como indicadores de desempenho das universidades. A THE avalia, entre outros fatores, o número de citações de pesquisa, o grau de titulação dos professores, a transferência de conhecimento para a sociedade e o nível de internacionalização. Ao comentar o resultado, o diretor da THE, Phil Baty, afirmou que o avanço da covid-19 pode ter impacto significativo sobre as universidades.

O reitor Natalino Salgado destacou que a posição alcançada pela instituição no ranking é uma conquista de toda a comunidade acadêmica. “É uma avaliação extremamente positiva para a UFMA, reflete a participação ativa dos docentes, discentes e técnicos. Hoje, é ainda maior o esforço de todos para desenvolver suas pesquisas, projetos de extensão, formar profissionais qualificados para a sociedade e garantir o funcionamento normal da Universidade. Nestes tempos de pandemia tivemos que reinventar os processos administrativos para deixar nossas atividades acadêmicas mais dinâmicas”, assegurou Natalino Salgado.

No caso da UFMA, a pandemia impôs desafios, como sistematizar as aulas, tornado híbrida e/ou remota, e a realização de pesquisas híbridas, que envolvam atividades presenciais e remotas, além de lidar com a restrição de recursos, uma vez que a pandemia afetou gravemente e arrecadação e tem afetado o orçamento do ensino superior público. Nos últimos anos, as instituições do País já vinham sofrendo com restrições de verba para pesquisa e custeio.

UFMA em números

Fundada em 1966, a UFMA possui, atualmente, 1.836 docentes, dos quais mais de 1.240 são doutores. A Universidade também conta com a participação ativa de 1.761 técnicos-administrativos e quase 30 mil estudantes de graduação e pós-graduação (presencial ou a distância), e estudantes dos programas especiais.

Com mais de cinco décadas de existência, a UFMA tem contribuído, de forma significativa, para o desenvolvimento do Estado do Maranhão, formando profissionais nas diferentes áreas de conhecimento em nível de graduação e pós-graduação, empreendendo pesquisas voltadas aos principais problemas do estado e da região, desenvolvendo atividades de extensão abrangendo ações de organização social, de produção e inovações tecnológicas, de capacitação de recursos humanos e de valorização da cultura.

Carregando