Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Maranhense homenageia Brasília com exposição na reabertura do espaço Oscar Niemeyer

60 obras do artista ludovicense Jailson Belfort homenageiam os 60 anos da Capital Federal.

Jailson Belfort homenageiam os 60 anos da Capital Federal (Foto: Divulgação)

“Brasília em Linhas” é a mais recente exposição do artista plástico Jailson Belfort. A mostra composta de 60 obras, todas feitas apenas com canetas esferográficas, homenageia os 60 anos da Capital Federal e retrata seus principais monumentos e ícones.

A exposição, com visitação de 25 de setembro de 2020 a março de 2021, também marca a reabertura do Espaço Oscar Niemeyer, que esteve fechado para reformas, e ainda a volta da visitação de museus no Distrito Federal, em horários e dias reduzidos: de sexta a domingo, das 10h às 16h. Os espaços estiveram fechados nos últimos meses por conta de medidas protetivas contra o Covid-19.

‘Brasília em Linhas’ destaca lugares e monumentos marcantes da nossa Capital numa abordagem criativa feita pelo artista maranhense.

Cada arte retrata Brasília por meio de milhares de traços. Belfort evidencia a precisão, a dedicação e a atenção aos detalhes numa técnica única e inovadora. Para esta composição, utilizou-se linhas, curvas e texturas variadas, inspiradas pela beleza e simplicidade brasiliense.

“As obras apresentam um ponto turístico retratado em duas tonalidades. A cor viva representa o céu icônico da cidade. A neutra, revela detalhes do monumento, num efeito de Gestalt que brinca com os elementos de luz, sombra, figura, fundo e ângulo”, explica o artista.

Sobre o artista

Natural de São Luís/MA, Jailson Belfort começou a desenhar na infância, tendo como referência o apresentador de TV e desenhista Daniel Azulay (1947-2020). É formado em Design pela Universidade Federal do Maranhão. Trabalhou com Publicidade e Propaganda, em agências, desde 1991 onde foi designer gráfico, ilustrador e diretor de arte.

Essa trajetória o levou ao universo dinâmico da comunicação visual, e sua sensibilidade às imagens do cotidiano foi tomando forma de arte ao longo dos 28 anos de carreira. O artista realizou as seguintes exposições: “Caneta Criativa”, no Supremo Tribunal Federal (Brasília, 2018) e “Brasilidades”, no Museu de Arte Moderna (Rio de Janeiro, 2019).

Usando canetas -Após vários anos trabalhando com artes no computador, como designer gráfico, o artista voltou a desenhar à mão livre, desafiando-se a utilizar apenas canetas esferográficas, produzindo um conjunto de telas e desenhos criativos bem elaborados, explorando ao máximo os recursos das canetas.

Por usar apenas tinta permanente, Belfort ousa e não tem medo de se expressar e se divertir com texturas, sombras e perspectivas. Ao desenhar com caneta, ele “corre riscos”, pois os traços não podem ser apagados, corrigidos ou desfeitos. Um encontro de liberdade criativa e técnica apurada.

Carregando