Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Candidatos a prefeito e vice em Itaipava do Grajaú são presos por suspeita de compra de votos

Um dos suspeitos ainda tentou esconder dinheiro dentro de um cone, no pátio da delegacia

Suspeitos foram conduidos para a delegacia de Grajaú (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil do Maranhão efetuou a prisão de três pessoas, nesta terça-feira, 27, na localidade Pintada, no município de Itaipava do Grajaú, distante 526 km de São Luís, por suspeita de compra de votos na região.

De acordo com a polícia, dois suspeitos são candidatos a prefeito e vice no município, identificados pelas iniciais J.W.C., de 51 anos, e J.R.R., de 41. A outra pessoa presa durante a operação atende pelas iniciais J.H.L. de 31 anos.

Conforme informações da delegacia local, foram recebidas muitas denúncias de compras de votos na cidade de Itaipava do Grajaú, principalmente na zona rural. Em razão disso, foi enviado uma equipe especial da Polícia Civil, o Grupo de Pronto Emprego (GPE) da cidade de Imperatriz, para verificar.

Durante as diligências, na localidade “Pintada”, os policiais abordaram um veículo e encontraram grande quantia de dinheiro em espécie. Os três ocupantes do carro foram conduzidos para a delegacia de Grajaú, local onde um dos suspeitos foi flagrado tentando esconder dentro de um cone, no pátio do Distrito Policial, mais uma quantia do dinheiro.

Questionados a respeito da origem dos recursos, os três suspeitos não conseguiram explicar ou justificar o fato, nem a tentativa de dispensar o valor dentro do cone.

Diante do valor aprendido e das denúncias de compra de votos, inclusive na localidade onde os suspeitos foram presos, reforçou-se os indícios da prática criminosa.

Em razão dos fatos, os três foram autuados em flagrante com base no Artigo 299 do Código Eleitoral, que caracteriza o crime de compra de votos, considerado crime afiançável. Foi arbitrada fiança pela autoridade policial e, após o pagamento, o trio passará a responder pelo delito em liberdade.

As investigações continuam até que seja concluído o inquérito policial, a ser encaminhado ao Poder Judiciário.

Carregando