Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Calçadão da Avenida Litorânea ganha reparos estruturais

A forte ressaca das águas salgadas havia engolido alguns metros de pista, e derrubou a ‘rampa’ de terra

Após período crítico, calçadão da Avenida Litorânea foi contemplado com obras emergenciais de recuperação (Foto: Gilson Ferreira)

Depois de meses com o calçadão da Avenida Litorânea quebrado, o local, localizado no fim da via, recebeu obras emergenciais de recuperação da orla. Nessa quarta-feira (18), a equipe de reportagem do Jornal Pequeno esteve na Praia do Caolho, e constatou que a calçada passou por reforma.

Na manhã de ontem não havia operários trabalhando na área, mas vendedores de coco e banhistas disseram que as intervenções aconteceram há alguns dias, porém não precisaram a data.

Em junho deste ano, o calçadão da Avenida Litorânea já estava danificado após sofrer os efeitos da fúria da natureza, quando a faixa de areia da Praia do Caolho foi encoberta pelo mar agitado, que chegou à calçada e abriu nela duas crateras. A forte ressaca das águas salgadas engoliu alguns metros de pista, e derrubou a ‘rampa’ de terra que sustentaria o logradouro, deixando expostos revestimentos de fios elétricos.

Até há algumas semanas, as crateras permaneciam interditadas por redes, mas pessoas, ao fazerem suas corridas e caminhadas, transitavam bem próximo ao local cercado.

“É um alívio que houve a recuperação do calçadão. Eu soube há poucos dias que houve a reforma, então, voltei a circular por este trecho da praia”, informou o comerciante Eudes Cunha, que mora no Calhau, e costuma caminhar pela Avenida Litorânea.

“Eu não lembro os dias que as obras foram feitas, mas comemoro a realização delas. Fizeram, inclusive, escadas no calçadão para que o público possa descer com segurança à praia, sem precisar pisar nas pedras. Também, depois da reforma aumentou o movimento de banhistas, pessoas praticando atividade física e até mesmo estacionando o carro neste trecho da praia para comprarem água de coco”, disse a vendedora Cláudia Rodrigues.

Carregando