Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Pandemia deve aumentar casos de tuberculose entre as crianças, alertam pediatras

Mais de 70 mil novos casos da doenças são diagnosticados anualmente no Brasil.

Pediatras alertam sobre possíveis aumento de casos de tuberculose entre as crianças (Foto: Divulgação)

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta pais e responsáveis sobre a necessidade de ficarem atentos aos sintomas da tuberculose em crianças. Estudo recente publicado pela Stop TB Partnership, instituição vinculada ao Escritório das Nações Unidades de Serviços para Projetos (UNOPS/ ONU), mostra que as medidas de isolamento social podem levar a 6,3 milhões de novos casos e 1,3 milhão de mortes a mais pela doença até 2025, já que muitos pacientes não serão diagnosticados nem tratados por causa da pandemia.

Diante dessa previsão, a presidente do Departamento Científico de Pneumologia da SBP, dra. Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Sant’Anna, reforça a recomendação pela busca por diagnóstico, acompanhamento e tratamento da doença para as crianças.

“É essencial que compreendamos que os casos de tuberculose não estacionaram por conta da Covid-19. Porém, nos primeiros meses da pandemia vimos uma grande queda na busca pelos postos de saúde e, consequentemente, nos diagnósticos. Isso é muito preocupante e temos que alertar os pediatras e a população em geral para que não deixem de lado essa preocupação”, destaca.

Vale destacar que mais de 70 mil novos casos de tuberculose são diagnosticados anualmente no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, sendo que desse total, cerca de 4.900 (7%) casos acometem as crianças. O tratamento para a doença é oferecido no Sistema Único de Saúde (SUS), durando, em média, seis meses.

“A tuberculose é uma questão séria de saúde pública no Brasil e as crianças, especialmente até os 10 anos, são vítimas dos adultos, que as contaminam. Por isso, a vacinação (BCG) deve ser feita logo que a criança nasce, já que apesar de não proteger em relação à doença em sua forma pulmonar, protege contra as suas formas mais graves” alerta.

Dra. Maria de Fátima explica que em caso de sintomas como tosse seca e febre esporádica, porém persistente, o recomendado é buscar logo um pediatra. Segundo ela, o diferencial da tuberculose é que o quadro clínico dura mais tempo, cerca de 15 a 20 dias, enquanto outras doenças respiratórias tem uma evolução mais rápida. “Infelizmente, a grande aliada dessa doença crônica é a pobreza, que proporciona casas onde muitas pessoas vivem em um mesmo espaço e há falta de ventilação”, afirma.

Carregando