Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Blitz Urbana remove barracas improvisadas de ocupantes do abrigo demolido do Largo do Carmo

As barracas improvisadas foram retiradas porque os trabalhadores receberam indenização da Prefeitura de São Luís.

Equipes da Blitz Urbana trabalham na remoção das barracas improvisadas no entorno do Largo do Carmo (Foto: Gilson Ferreira)

No dia 17 de outubro de 2020, o abrigo do Largo do Carmo da Praça João Lisboa, no Centro de São Luís foi demolido pela Prefeitura. A demolição foi autorizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e faz parte do conjunto de obras de restauração do logradouro.

Durante a obra de reforma, pessoas que trabalhavam no abrigo foram remanejadas para barracas improvisadas, sob tendas levantadas na Avenida Magalhães de Almeida, num local próximo à entrada da Rua Grande. Nessa quinta-feira (26), a Blitz Urbana acabou com as barracas improvisadas, visto que os trabalhadores foram indenizados.

Joerbert Rabelo Silva, de 51 anos, trabalhou por 35 anos no abrigo do Largo do Carmo. Ao Jornal Pequeno, ele informou que recebeu uma indenização de R$ 42 mil. “Este valor eu dividi com meus irmãos, pois herdamos o boxe no abrigo do meu pai, que trabalhou muitos anos na estrutura”, disse Joerbert, ao informar que, no total, existiam no abrigo dez boxes, e que nessa terça-feira (24), a Blitz Urbana informou oficialmente aos trabalhadores sobre a remoção das barracas improvisadas.

Joerbert informou que todas as pessoas que ocupavam os dez boxes do abrigo foram indenizadas. A indenização foi confirmada pelo defensor público Jean Carlos Nunes, que coordena o Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado do Maranhão (DPE-MA).

“Fomos procurados há aproximadamente dez dias, pelos trabalhadores do abrigo que foi demolido. Essas pessoas receberam indenizações, que nós da DPE avaliamos como de baixo valor. A atuação da Defensoria Pública é permitir que essas pessoas continuem tendo fonte de trabalho e renda. E, faremos a identificação dos locais, em feiras e mercados próximos de suas residências, para que elas possam continuar trabalhando”, informou Jean Carlos.

O antigo Abrigo do Largo do Carmo foi construído no começo da década de 50. Era conhecido como “Come em pé” por ser um local de venda de lanche. Na área funcionavam dez boxes e ainda três bancas. Apesar de ser um abrigo público, os ocupantes receberam uma indenização da Prefeitura.

Carregando