Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Invasores não são do bairro e só queriam lucrar, dizem moradores da Ilhinha

Muitos dos responsáveis pela ocupação ilegal têm casas em outros bairros e só queriam lucrar

Foto: Reprodução

A ocupação ilegal na Ilhinha, em São Luís, que foi desmontada na quarta-feira (2) pela Blitz Urbana e pela Polícia Militar era formada por pessoas de fora do bairro e que tentaram ganhar dinheiro desmatando a área. E acabam prejudicando quem de fato vive na região. O relato é de moradores das proximidades da invasão.

“Essa invasão é recente, dos últimos dias para cá. Desmataram o mangue, tiraram muita madeira. Foi de uma hora para outra, aquele desespero”, conta um vigilante, que de sua casa consegue ver o local da ocupação.

Um aposentado concorda: “É de domingo para cá, não tinha nada”. Ele também confirma que as pessoas não são da região. “Passei duas noites sem dormir porque eles ficavam batendo prego. Tiraram toda madeira do mangue”, diz.

Lucro

Ambos os moradores contam conta que muitos dos responsáveis pela ocupação ilegal têm casas em outros bairros e só queriam lucrar: “Eles acabam vendendo a casa depois”, afirma o vigilante.

“Ainda bem que tiraram”, acrescenta o vigilante. Para ele, as iniciativas recentes que removeram as palafitas do São Francisco foram duplamente positivas, pois deu moradia a quem vivia em condições ruins e valorizou a região.

“Agora melhorou muito, valorizou 100%. E aí de repente estão querendo invadir de novo?”, completa. As famílias que ocupavam palafitas na área foram transferidas para o Residencial José Chagas em setembro deste ano.

Tráfico

De acordo com o aposentado, faz sentido a informação da polícia de que a ocupação foi instigada por facção criminosa: “Tinha muito traficante, vendedor de pedra”. Ele acrescenta que ouviu relatos segundo os quais os líderes da ocupação ilegal estavam recrutando pessoas para engrossar a invasão.

Carregando