Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Boas práticas de isolamento geram conforto acústico

Utilizar os materiais certos para evitar que os sons indesejados se propaguem é mais fácil do que parece

Um bom isolamento traz um conforto acústico para aproveitar a sua casa melhor - Fonte: PXHere

Muitas vezes, os ruídos indesejados com origem no apartamento do vizinho ou do lado externo de casa podem se tornar a maior fonte de estresse na vida de uma pessoa. Não é à toa que seja tão comum que moradores de um mesmo condomínio entrem em conflito por causa de barulhos. Aparelhos eletrônicos, atividades de lazer, discussões, choro de crianças e animais de estimação são alguns exemplos de elementos que podem gerar ruídos capazes de incomodar vizinhos.

Sons externos, como o ruído normal do trânsito, ou de outros meios de transporte, como aviões e trens, possuem tanto potencial para causar estresse quanto aqueles originados nos vizinhos. Seja lá qual for a origem, ruídos podem prejudicar a produtividade e o sono, causando até problemas de saúde.

A questão dos ruídos indesejados é, muitas vezes, vista como um problema inevitável, do qual só é possível fugir trocando de imóvel. Porém, existe um ramo inteiro da engenharia, da arquitetura e da decoração voltado para reduzir a capacidade de disseminação dos sons nos ambientes internos.

Soluções para se livrar dos sons indesejados

O isolamento acústico prevê uma série de soluções e equipamentos para reduzir a passagem de ruído entre ambientes ou para proteger trabalhadores da exposição ao ruído no contexto empresarial, comercial e industrial. A porta acústica, a cabine acústica, a barreira acústica e o enclausuramento de máquinas são exemplos de instalações ideais para indústrias, hospitais, escolas, auditórios e casas noturnas.

No contexto residencial, o isolamento acústico também oferece uma variedade de soluções para as necessidades dos moradores de um imóvel. Ruídos indesejados podem ser uma fonte intensa de estresse dentro de um imóvel. Porém, o cuidado com a acústica começa antes da escolha do imóvel. Vale a pena conferir se, ao redor, existem lugares que possam gerar sons desagradáveis em potencial. Aeroportos, ferrovias, casas noturnas, templos religiosos e estádios podem ser incômodos.

Em 2013, passou a ser obrigatória, no Brasil, a existência de isolamento acústico nas novas construções, o que evita a disseminação de ruídos pelas paredes. Portanto, imóveis construídos depois de 2013 possuem uma grande vantagem em relação ao bem-estar dos moradores. O documento que determinou a exigência de isolamento acústico é a NBR 15.575, que trata de aspectos que vão além da acústica e dizem respeito a conforto, acessibilidade, estabilidade, vida útil, segurança estrutural e prevenção de incêndios.

Sobre acústica, a NBR determina que as construções devem atender aos critérios de vedação de coberturas, oferecer isolamento das vedações externas, apresentar isolamento entre os ambientes e observar os limites de ruídos de impactos. Para atender a essas demandas, existem produtos específicos que são capazes de barrar a passagem de ruído de um cômodo para outro.

A racionalização dos custos das construções que virou tendência na década de 1980 é uma aliada da poluição sonora. Na época, se popularizou o uso de materiais leves e baratos e fáceis de serem instalados e utilizados, como divisórias de gesso acartonado e lajes finas de concreto armado, que são resistentes, mas transmitem muito ruído de um andar para outro.

Se o imóvel for antigo ou, mesmo se for moderno, os sons estiverem incomodando, existem algumas dicas que podem resolver o problema:

– Instalar, nas janelas, vidros duplos ou triplos e esquadrias de PVC com revestimento interno de lã de rocha mineral, um material que absorve mais vibrações que o metal

– Reforçar as paredes externas com lã de rocha mineral e drywall, que funcionam como amortecedores

– Para evitar que o som de propague de um cômodo para outro, ou para os vizinhos, revestir as paredes com materiais rugosos, como pedra, papel de parede e cortiça, ao invés de materiais polidos, como vidro, que transmitem mais vibrações

– Usar materiais que evitem a propagação de sons no piso, como mantas de poliestireno ou cortiça entre o piso e a laje

– Também para evitar disseminação de sons pelo chão, usar tapetes e carpetes

– Colocar plantas próximas às paredes, de preferência de folhagens grandes, como samambaias, pois a estrutura biológica das plantas absorve vibrações sonoras

– Colocar quadros nas paredes, que constituem uma camada a mais de isolamento

Carregando