Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Pedras de mármore dos bancos da Praça da Alegria, em São Luís, são levadas por vândalos

Outra situação recorrente são os arrombamentos ao mercado das flores, instalado no logradouro.

Bancos da Praça da Alegria estão somente no concreto, devido ao furto das pedras de mármore (Foto: Francisco Silva)

Desde o início da pandemia de Covid-19 em São Luís, março de 2020, a Praça da Alegria sofre com frequentes furtos de pedras de mármore de seus bancos. A estrutura foi a primeira obra concluída do pacote de 44 intervenções previstas pelo PAC Cidades Históricas, na capital maranhense. A reforma foi entregue no dia 26 de março de 2015.

Além dos furtos, desde a sua requalificação, já houve pelo menos cinco arrombamentos no prédio construído no centro da praça, que funciona como mercado de flores.

De acordo com o florista Pedro Paulo Pereira Penha, a ação criminosa de retirar o mármore dos bancos começou durante o lockdown na cidade, no ano passado.

Segundo quem transita pela praça, haveria ausência de guardas municipais a qualquer momento do dia. Já Pedro Paulo comentou que as pedras são levadas de duas ou três. Atualmente, elas já foram arrancadas de três bancos.

“Caiu a movimentação nas ruas do Centro, e os vândalos se aproveitaram da situação. Mesmo assim, os furtos aconteciam pela noite, e aos fins de semana, mas como nunca foi feito nada para evitá-los, a confiança dos vândalos foi aumentando, e na semana passada vi um homem carregando à luz do dia uma pedra de mármore na sua cabeça, arrancada do banco desta praça”, informou Pedro.

ARROMBAMENTOS

Pedro Paulo trabalha no mercado de flores há quase duas décadas. No espaço, há quatro lojas, sendo uma do florista. Ele contou ao Jornal Pequeno que, de 2015, quando a praça foi revitalizada, até este ano, já houve cinco arrombamentos. Janelas e portas do mercado estão com placas de madeira que tampam os buracos feitos pelos vândalos, para terem acesso à parte interna do espaço, e assim realizarem os furtos.

“Houve uma vez que as quatro lojas juntas tiveram um saldo de R$ 3 mil de prejuízos. Levaram caixas de bombons e ursos de pelúcias utilizados nos kits de presentes, além de jarros de flores, e os nossos ventiladores”, informou Pedro.

REFORMA

Representantes do Ministério da Cultura e do governo do Maranhão, da Prefeitura e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) entregaram a Praça da Alegria reformada à comunidade, no dia 26 de março de 2015. A obra da reforma foi financiada pelo programa federal PAC Cidades Históricas em São Luís e o investimento de R$ 865,7 mil.

OUTRO LADO

A Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc) comunicou, por meio de nota, que a Guarda Municipal de São Luís faz o patrulhamento na Praça da Alegria e nas imediações, por meio do Grupamento de Patrimônio e Operações (GPO), sediado no Complexo da Deodoro.

O trabalho tem como objetivo impedir a prática de delitos, incluindo a destruição dos equipamentos públicos. As equipes atuam por escala, fazendo rondas diuturnamente, para que o local não fique desguarnecido. A Semusc reforçará a presença dos guardas municipais na região.

Também por meio de nota, a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp) informou que o Instituto Municipal da Paisagem Urbana (Impur) fará o levantamento dos danos causados por ações de vândalos para, posteriormente, realizar os reparos necessários.

A Polícia Militar do Maranhão (PMMA) informou que a segurança no centro de São Luís, incluindo as praças e demais áreas históricas, é realizada de forma preventiva e ostensiva, por meio do patrulhamento motorizado e a pé, realizado por policiais do 9º BPM e Batalhão de Polícia Militar de Turismo (BPTur).

O policiamento é intensificado em locais como Rua Grande, Rua da Paz e adjacências, Praça Deodoro, Centro Histórico, entre outras áreas com fluxo intenso de pessoas.

A PM ressaltou que os cidadãos podem e devem contribuir com serviço de segurança, prestando informações sobre ocorrência de atos ilícitos (incluindo crimes contra o patrimônio público), com a total garantia de anonimato. As denúncias podem ser feitas por meio do 190.

Carregando