Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Há exatos 10 anos, a morte de Jackson Lago consternou o Maranhão

Julião Amin ressalta importância histórica do grande líder da oposição, e o “estarrecedor golpe judicial” que o tirou do governo.

Há exatos 10 anos, o ex-governador Jackson Lago morreu, aos 76 anos, no Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, de complicações decorrentes do tratamento de um câncer de próstata.

Há 10 anos morria Jackson Lago (Foto: Divulgação)

Na noite daquela segunda-feira, 4 de abril de 2011, o Hospital do Coração informou, em nota, que Jackson Lago morreu de falência múltipla de órgãos. Ele estava internado desde o dia 30 de março para tratamento de miocardite (inflamação do músculo cardíaco) pós-quimioterapia. O ex-governador enfrentava um câncer de próstata desde 2004, mas a doença se intensificou a partir do final de 2010.

Em novembro daquele ano, um mês após o término das eleições – em que ficou em terceiro lugar, atrás de Roseana Sarney (PMDB), vencedora do pleito, e Flávio Dino (PCdoB) –, Jackson Lago internou-se no Hospital Albert Einstein, também em São Paulo, onde iniciou o procedimento quimioterápico contra o câncer, que já apresentava metástase (disseminação no organismo).

Problemas cardíacos o fizeram realizar, em março, no Hospital do Coração, um cateterismo (exame em que se introduz uma sonda através de uma artéria coronária para possibilitar diagnósticos de enfermidades no órgão). Uma bactéria alojada no cateter fez com que Jackson contraísse uma infecção, agravando seu estado de saúde já debilitado pelas sessões de quimioterapia.

No dia 15 de março, Jackson chegou a receber alta, mas 15 dias depois (quarta-feira, 30), teve de voltar a se internar no HCor devido a uma pneumonia.

O quadro geral começou a se tornar irreversível já no domingo (3). Na segunda (4 de abril de 2011), o ex-governador entrou em coma e morreu às 17h30.

“Armaram a cassação do Dr. Jackson por meio de um estarrecedor golpe judicial”

O ex-deputado federal Julião Amin, ex-presidente do PDT no Maranhão, foi um dos principais aliados do ex-governador Jackson Lago tanto na consolidação do partido, em todas as regiões do Estado, como também como auxiliar direto do então governador que conseguira impor histórica derrota ao grupo Sarney, nas eleições de 2006.

O ex-deputado Julião Amin afirma que Jackson tem uma importância histórica nas lutas do povo do Maranhão (Foto: Divulgação)

Para Julião Amin, Jackson Lago foi um homem apaixonado pelas causas públicas, inclusive expondo sua vida em defesa de seus ideais. “Fazia tudo para amenizar o sofrimento dos mais humildes, homem humano, corajoso e determinado. Na condição de médico e professor, consagrou sua vida a servir o próximo. Como político, foi um exemplo de seriedade e honestidade”, afirma Julião Amin, que fala nesta entrevista sobre o legado de Jackson Lago para o Maranhão.

Jornal Pequeno – Dez anos após a morte de Jackson Lago, como se pode dimensionar o seu legado político?

Julião Amin – Dr. Jackson teve uma biografia muito rica e exitosa. Foi deputado estadual, secretário estadual de Saúde, três vezes prefeito eleito de São Luís e eleito governador do Maranhão. Um homem apaixonado pelas causas públicas, inclusive expondo sua vida em defesa de seus ideais. Fazia tudo para amenizar o sofrimento dos mais humildes, homem humano, corajoso e determinado. Na condição de médico e professor, consagrou sua vida a servir o próximo. Como político, foi um exemplo de seriedade, honestidade e tinha consciência de que a política é um instrumento de promover mudanças estruturais para o bem comum. Ele era um militante social, um estudioso dos problemas sociais. Foi um grande estadista.

JP – Como se pode avaliar a trajetória de Jackson Lago na condição de líder da oposição?

Julião Amin – Jackson sempre foi fiel aos seus ideais. Todos que o acompanhavam sabiam de seus propósitos. Ele era mais do que os líderes da oposição do passado. Por mais que tenham se esforçado, não conseguiram fazer: compreender a vida do povo, suas angústias, sofrimentos e esperanças. Jackson era um peregrino percorrendo todo o Maranhão, ouvindo os movimentos sociais.

A partir dessa compreensão, ele conseguiu catalizar toda uma força política apostando na real possibilidade de o povo chegar ao poder, impondo uma necessária e tão sonhada derrota aos velhos grupos de domínio no Maranhão, o que foi possível através de muita organização política através do bravo PDT.

JP – Como foi, no seu modo de ver, o enfrentamento de Jackson Lago ao grupo Sarney?

Julião Amin – O Maranhão clamava por mudanças, o sistema de governo não atendia às necessidades do povo, era concentrador de riquezas e o Jackson, acompanhado de outros líderes, abraçou essa causa. A partir daí, o Jackson liderou essa luta sem medo de enfrentar o império que dominava o Maranhão e esse império começou a ter consciência de que só o Jackson poderia derrotá-lo. A história está aí para registrar que o Jackson sempre venceu o império nas disputas eleitorais. Ele só não resistiu ao golpe judicial, pois as forças para derrubá-lo não ficaram somente na arena local.

JP – O que representou a cassação do mandato do governador Jackson Lago?

Julião Amin – O império não se conformou com a derrota imposta pelo povo e tinha a certeza de que jamais voltaria a governar o Maranhão através do voto popular. Então armaram a cassação do governador através de um golpe judicial contra os interesses da maioria do povo maranhense, que acreditava no homem público chamado Jackson Lago. Essa cassação servia a um projeto de poder que manteria a estrutura de atraso local agasalhada nos então poderes da República.

O absurdo é que o golpe repercutiu, fazendo acreditar que Jackson teria abusado do poder político e econômico, quando ele não tinha nenhum desses poderes. O senador Pedro Simon, orador da solenidade em que Dr. Jackson Lago foi agraciado pós-morte com a Comenda Dom Hélder Câmara, chegou a criticar o pretexto usado para tomar o mandato do vitorioso e entregá-lo ao derrotado, pois o conceito que o Jackson Lago desfrutava nacionalmente era de homem íntegro. E mais: a decisão que tomou o mandato de Jackson foi tramada em Brasília sem qualquer suporte jurídico, mas unicamente político e estarrecedor para todo o mundo jurídico brasileiro

JP – O episódio da cassação pode ter contribuído para o agravamento do estado de saúde do Dr. Jackson?

Julião Amin – Era do conhecimento público que o Dr. Jackson estava acometido de um câncer, mas sempre seguindo corretamente o tratamento. Acredito que, com a pressão política decorrente do processo de cassação e de uma campanha deliberadamente difamatória e covarde, nunca vista no meio político, seu estado de saúde se agravou vindo ele a falecer.

JP – O que representa o legado de Jackson para o PDT?

Julião Amin – Dr. Jackson foi um dos fundadores do PDT, juntamente com Leonel Brizola, Doutel de Andrade, Neiva Moreira e outros. Aqui no Maranhão, ele construiu o partido que foi o grande instrumento de conscientização e o transformou em uma grande força política em favor do povo do Maranhão.

O PDT não pode abrir mão de ser um ambiente dialético renovando-se constantemente nos seus padrões na defesa da ética, da moral e atitude política. Esse é o legado que Jackson nós deixou.

Carregando