Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Com abordagens e ações de presença, RPMont reforça policiamento na zona rural de São Luís

O policiamento na região é feito em viaturas e principalmente com o uso de cavalo nos locais de difícil acesso.

Operações do RPMont reforçam o combate à criminalidade na zona rural de São Luís (Foto: Divulgação)

Com o objetivo de combater possíveis ações criminosas e garantir segurança na zona rural de São Luís, o 1º Regimento de Polícia Montada da Polícia Militar (RPMont) intensificou o policiamento na região principalmente em pontos estratégicos e de difícil acesso da área.

Policiais percorrem bairros da região, realizando abordagens a motoristas, pedestres e motociclista em busca de armas, entorpecentes e outros objetos que possam ser usados em ações criminosas.

O policiamento na região é feito em viaturas e principalmente com o uso de cavalo nos locais de difícil acesso ou de terreno muito acidentado, o que dificulta ou inviabiliza o uso de motocicleta ou viaturas. A ação faz parte de uma determinação do Comando de Missões Especiais, operação da unidade em que os policiais ficam por determinado período em uma área, realizando o policiamento ostensivo e preventivo nesses locais.

Somente nos quatro primeiros meses deste ano, de acordo com o RPMont, mais de três mil pessoas foram abordadas e mais de 998 veículos parados pelos policiais. A unidade já conseguiu recuperar cinco veículos roubados e furtados, além de quatro flagrantes realizados.

Comandante do RPMont, major Soares Júnior falou da importância do emprego da unidade na área rural da capital. “Atualmente, estamos agindo na zona rural com o objetivo, sobretudo, de combater a criminalidade com ações preventivas e repressivas, e a Cavalaria é importante justamente por dispor de um tipo de policiamento que ganha facilidade de locomoção num terro que é, muitas vezes, de difícil acesso, o que possibilita uma resposta mais rápida”, frisou.

O comandante destacou ainda as ações implementadas durante os dois anos de gestão à frente da unidade. “Nesses dois anos, estamos procurando sempre estar próximos da comunidade, principalmente pelo fato de que muitas vezes o cavalo atiça a curiosidade das crianças que querem tirar fotos, além da continuidade da Escola de Equitação e Equoterapia, voltado para pessoas com necessidades especiais. Dessa forma, além de desempenharmos nossa função fim, contribuímos também nas ações sociais”, afirmou.

Carregando