Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Antigo Teatro Tablado virará espaço artístico e cultural no Centro Histórico de São Luís

Espaço é considerado fundamental para o desenvolvimento do curso de Artes Cênicas da Ufma.

Antigo Teatro Tablado (Foto: Divulgação)

Nessa quarta-feira, 2, a diretora de assuntos culturais, Roselis Câmara, a chefe do departamento de Artes Cênicas, em exercício, Cássia Pires, os professores do departamento Abel Lopes e Gisele Vasconcelos, e o produtor do projeto ”Do Nosso Jeito” -DAC, Leandro Reis, visitaram o andamento da obra de restauração e requalificação do Teatro Tablado, localiado no Centro Histórico de São Luís.

Com o Tablado, a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), entrega à comunidade universitária um espaço de desenvolvimento de atividades de ensino, pesquisa e extensão, ao mesmo tempo em que disponibiliza à população maranhense um equipamento cultural e artístico de importância fundamental para a cultura e a arte do Maranhão e do Brasil.

Localizado na Rua da Palma, Centro Histórico de São Luís, o prédio, por determinação do reitor da UFMA, Natalino Salgado, será denominado de “Teatro Luiz Pazzini”, em homenagem ao ator e professor da UFMA Luís Roberto Souza, o mestre Pazzini, falecido em abril de 2020, em decorrência da covid-19.

Para a pró-reitora de extensão e cultura, Zefinha Bentivi, além da justa homenagem ao professor Pazzini, o reitor Natalino Salgado entende, como fundamental para o desenvolvimento do curso de Artes Cênicas, que o Tablado seja um espaço destinado às atividades práticas do curso, bem como a outras atividades acadêmicas.

“É com grande alegria que homenageamos o nosso grande mestre ‘Luiz Pazzini’, que dedicou sua vida ao teatro no Maranhão e na UFMA. Esse é um momento de muita alegria, não apenas por recebermos o prédio, mas, principalmente, em poder homenagear Pazzini. Nós, professores do departamento de artes cênicas, estamos acompanhando de perto a execução do projeto de restauração e vistoriando as obras para que o processo de construção ocorra da melhor forma e, assim, inaugurarmos o mais breve possível, dando à cidade de São Luís um mais novo espaço cultural, que servirá, também, de um palco-escola, no qual nossos estudantes poderão realizar seus estágios”, afirmou Cássia Pires.

O projeto foi concebido pela UFMA, e a execução ficou sob a responsabilidade do IPHAN, com orçamento em torno de R$ 2,3 milhões. O espaço contempla melhorias, construção e restauração de vários elementos, como paredes, pisos, revestimentos, cobertura, instalações elétricas, hidráulicas, climatização e sonorização.

O teatro, com capacidade para 95 pessoas, terá, ainda, um foyer onde poderão ser realizadas exposições, além de camarins masculinos e femininos, banheiros e um jardim interno. O andar superior será dedicado para as atividades administrativas do prédio, com recepção, diretoria, secretaria, sala de administração, salas técnicas, cabine de luz e som do teatro, sala de costura e adereçaria, banheiros e copa. Os espaços estarão acessíveis às pessoas com deficiência.

A professora e atriz Cássia Pires lembra que a requalificação do prédio já era esperada pelos docentes e discentes do curso. “Ainda em vida, nosso mestre Luiz Pazzini lutava ‘por um teatro na UFMA’ e, durante toda sua trajetória acadêmica, sempre plantou a bandeira de ter um teatro na UFMA, e agora veremos esse sonho concretizado, assim que a obra estiver finalizada. Aqui, no Centro Histórico, com a inauguração do teatro será um grande trabalho de revitalização. Então, o Teatro Luiz Pazzini nos proporcionará tanto as aulas e atividades laboratoriais, quanto um espaço apropriado para os ensaios e as apresentações dos alunos, além de espetáculos do teatro nacional e internacional”, declarou.

“Obras como estas reafirmam o compromisso político-social da Universidade, principalmente quanto ao papel da extensão e da cultura na sociedade, daí o nosso empenho como Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, dando todo apoio necessário ao projeto”, finalizou Zefinha Bentivi.

Carregando