Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Projeto vai instalar 65 pontos de higienização das mãos em São Luís

O primeiro espaço foi inaugurado ontem, no Centro de Ensino Maria José Aragão, localizado na Cidade Operária.

65 pontos de higienização vão ser instalados em espaços da capital maranhense (Foto: Gilson Ferreira)

O Instituto Pobres Servos da Divina Providência, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Projeto Batuque de Dentro, está instalando lavatórios em escolas e espaços públicos de São Luís, como medida para conter a proliferação do novo coronavírus. Nessa terça-feira (8), começou a funcionar o primeiro ponto de higienização das mãos, no Centro de Ensino Maria José Aragão, escola da rede estadual de ensino, localizada no bairro da Cidade Operária.

Outros 64 pontos estão em processo de implantação na capital maranhense, segundo o Instituto, por meio do projeto Estação Gentileza.

De acordo com Gisele Sá, que é coordenadora do Estação Gentileza, o processo de instalação dos lavatórios já iniciou em outros locais de São Luís.

“É importante frisar que os lavatórios não serão instalados somente em escolas, mas em praças públicas e próximos de sedes de associações comunitárias. São pessoas das próprias comunidades que sinalizam as localidades, para que possamos instalar a estrutura”, informou.

Segundo a coordenadora do Estação Gentileza, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) é parceira no projeto. “Foi a Semed quem nos sinalizou escolas públicas que estão em áreas de maior vulnerabilidade social. As estações estão sendo instaladas dentro dessas unidades de ensino. Temos quatro comunidades prioritárias, que são a Cidade Operária, Cidade Olímpica, Anjo da Guarda e o Coroadinho”, destacou Gisele.

“Eu sou ex-aluna do Centro de Ensino Maria José Aragão. Vim hoje (ontem) visitar a escola, e me deparei com o lavatório. Gostei muito da ideia”, declarou Aisha Nirvana Silva, de 17 anos.

“É uma iniciativa muito boa do Instituto Pobres Servos da Divina Providência com o Unicef. As instituições e parceiros deste programa estão de parabéns”, disse Tamires Castro, que é moradora da Cidade Operária.

ATITUDES CONSCIENTES

O gestor do Centro de Ensino Maria José Aragão, Wilson Chagas, destacou que se trata de uma contrapartida social e papel da escola no território em que está inserida.

“Esses espaços já existem em outros países, contribuindo para a disseminação e consolidação de atitudes conscientes para prevenção de doenças, principalmente a Covid-19. As estações são ponto de chegada, partida, encontro, passagem, troca, movimento, caminhada, parte significativa do que a educação representa”, declarou Wilson.

Carregando