Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Marido confessa ter matado psicóloga filha de maranhense no Distrito Federal

Leandro Barros Soares contou em depoimento aos investigadores que crime foi motivado por ciúmes.

Leandro de Barros Soares é suspeito de matar a esposa, Melissa Mazzarello, no DF — Foto: Reprodução/Instagram

Uma psicóloga de 41 anos foi assassinada nessa quinta-feira (17), na quadra 7 de Sobradinho, no Distrito Federal. Segundo a Polícia Civil, Melissa Mazzarello de Carvalho Santos Gomes foi encontrada já sem vida, em casa, com marcas de esganadura. Principal suspeito do crime, o marido confessou ter matado a esposa por ciúmes, de acordo com a Polícia Civil. A vítima é filha do maranhense Luiz Gomes, natural de Viana.

Leandro de Barros Soares disse em depoimento que matou a psicóloga Melissa Mazzarello de Carvalho Santos Gomes, de 41 anos, de forma não intencional: “Na versão contada na delegacia, ele diz que tentou conter a vítima de um ‘ataque de fúria’ e teria apenas dado um abraço de contenção. Porém, com a forma empregada, de forma não voluntária, teria ensejado a morte dela”, explicou o delegado Hudson Maldonado, da 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho).

Entretanto, para o investigador, está claro que houve um feminicídio “injustificável, doloso e intencional”. Maldonado contou ainda que, após Leandro matar a esposa, buscou os filhos do casal na escola, de 6 e 8 anos, e deixou as crianças na casa dos avós.

Em seguida, o suspeito pediu ajuda a um irmão, que o convenceu a entrar em contato com a Polícia Civil e se entregar. “Ele deixou a residência da vítima sem chamar os bombeiros ou o Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] para saber se havia possibilidade de reanimação”, detalhou o delegado.

Agressão

Melissa e Leandro, segundo a Polícia Civil, estavam juntos há 13 anos e têm dois filhos. Em setembro do ano passado, no entanto, eles se separaram, após o homem agredir a mulher, quando ainda moravam juntos no Jardins Mangueiral.

Segundo os investigadores, à época, a psicóloga chegou a ficar sob medidas protetivas contra o suspeito, porém, em janeiro deste ano, eles reataram o relacionamento e fizeram terapia de casal. Entretanto, o episódio motivado por ciúmes nesta quinta-feira desencadeou o crime.

Após matar companheira, o suspeito foi para a Asa Sul e, de acordo com o delegado, ainda cogitou fugir. Porém, decidiu se entregar e aguardou a chegada da Polícia Civil em uma agência bancária da região.

O delegado disse ainda que, até as 11h desta sexta-feira (18), o suspeito ainda não havia passado por audiência de custódia. A vítima deixa dois filhos. O delegado Hudson Maldonado afirma que as crianças não estavam em casa no momento do crime.

Carregando