Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Maranhão apresenta os piores índices de desperdício de água da região Nordeste

São Luís apresenta os piores índices entre as 20 cidades do nordeste presentes no estudo

Foto: Reprodução

O estado do Maranhão apresenta os piores índices de perdas de água da região Nordeste. Mais da metade de toda água que é produzida no estado não chega de forma oficial para a população. Além disso, em referência ao Índice de Perdas por Ligação, o Maranhão perde 803 L/ligação/dia.

Os dados constam de um estudo realizado pelo Instituto Trata Brasil, com parceria institucional da Associação Brasileira dos Fabricantes de Materiais para Saneamento (Asfamas) e com elaboração da consultoria GO Associados.

São Luís apresenta os piores índices entre as 20 cidades do nordeste presentes no estudo. Os índices negativos estabelecem a capital entre os piores das 100 cidades em todos os indicadores de perdas de água.

Ao analisar as 100 maiores cidades do Brasil, o Índice de Perdas na Distribuição aponta desafios para diversos municípios. Entre as 10 cidades com piores índices no Brasil, três municípios são da região Nordeste: São Luís (MA) com 63,78%; Paulista (PE) com 60,11% e Recife (PE) com 57,92%. É possível analisar que entre os três municípios do Nordeste, dois desses são capitais nacionais.

O estudo foi produzido a partir de dados públicos do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS, ano base 2019) e contempla uma análise do Brasil, das 27 Unidades da Federação e as cinco regiões, bem como as 100 maiores cidades – os mesmos municípios do Ranking do Saneamento Básico.

No Brasil quase 40% (39,2%) de toda água potável captada não chega de forma oficial as residências do país, demonstrando a grande ineficiência na distribuição de água pelas regiões. Todo esse volume perdido, equivale a 7,5 mil piscinas olímpicas de água tratada desperdiçada diariamente.

Além de atender a este enorme contingente de brasileiros, no que se refere ao impacto ambiental, o volume de água que poderia ser economizado da natureza, o que certamente ajudaria a manter mais cheios os rios e reservatórios espalhados pelo país.

Carregando