Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Polícia Federal deflagra operação contra fraudes em benefícios emergenciais no Maranhão

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e sequestro de bens nas cidades de São Luís e Imperatriz.

Material apreendido com os suspeitos durante a operação (Foto: Divulgação)

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quinta-feira,22, a Operação Animus Fraudandi, em continuidade ao combate às fraudes aos Benefícios Emergenciais no Maranhão. Os auxílios são pagos à parte da população com dificuldades financeiras em razão da pandemia.

Só em Imperatriz foram cumpridos 8 mandados de busca e apreensão com participação de mais de 30 policiais federais, e, segundo o chefe da operação, o grupo foi responsável pelo desvio de mais de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais). Em São Luís, foram cumpridos um Mandado de Busca e Apreensão e um Mandado de Sequestro de Bens e Valores com bloqueio judicial de até R$21.000,00 (vinte e um mil reais), correspondentes ao montante do prejuízo ocasionado aos cofres da União em decorrência da prática criminosa.

Estão sendo cumpridos 29 Mandados de Busca e Apreensão e quatro Mandados de Sequestro de Bens, perfazendo um total de aproximadamente de até R$ 60 mil bloqueados por determinação judicial.

As ações ainda ocorrem nos estados da Bahia, Ceará, Mato Grosso, Pará e Santa Catarina, com a participação de aproximadamente 120 Policiais Federais.

Os objetivos da atuação interinstitucional conjunta são a identificação de fraudes massivas e a desarticulação de organizações criminosas, com a responsabilização de seus integrantes, além de recuperar os valores para o erário.

A Polícia Federal já realizou a deflagração de 114 (cento e catorze) Operações Policiais visando ao combate às fraudes aos Benefícios Emergenciais, com a expedição de mais de 443 (quatrocentos e quarenta e três) Mandados de Busca e de 50 (cinquenta) Mandados de Prisão.

Os trabalhos realizados, de acordo com a PF,  são resultantes de uma união de esforços denominada Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE), da qual ainda participam o Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, CAIXA, Receita Federal, Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União.

A operação foi batizada Animus Fraudandi, expressão latina que significa “intenção de fraudar”, que remete ao caráter fraudulento e intencional dos desvios de valores identificados no curso das investigações.

Carregando