Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Polícia faz escavações onde corpo de garoto sumiu há 36 anos

Garoto desapareceu em 1985 em uma trilha no Pico dos Marins

Foto: Reprodução

Uma operação da Polícia Civil de São Paulo iniciou, nesta quinta (29), uma escavação em um local onde pode estar enterrado o corpo do garoto Marco Aurélio Simon, desaparecido desde 1985, durante uma trilha no Pico dos Marins, no município de Piquete, distante 200 km da capital paulista.

Novos indícios fizeram com que o caso fosse desarquivado 36 anos depois do desaparecimento do jovem escoteiro que, à época, tinha 15 anos. A primeira delas é a que ele pode ter sido morto e enterrado em uma casa na zona rural. Esta é a que será averiguada na operação. A outra possibilidade que será investigada pela Polícia Civil é a de que Marco Aurélio possa estar vivo e hoje esteja em situação de rua. Há depoimentos de que ele foi visto em Taubaté em mendicância.

A família encomendou de peritos uma imagem envelhecida do escoteiro, com características de morador de rua e usa para tentar encontrá-lo. Para esta linha de investigação, a polícia acionou as penitenciárias da cidade, equipes da Polícia Civil e Militar. Esta linha é também o que acredita a delegada Sandra Vergal, responsável pela investigação do caso à época.

O Desaparecimento

Marco Aurélio Simon desapareceu na manhã do dia 8 de junho de 1985. Ele e outros três amigos, todos com 15 anos à época, estavam acompanhados de um líder e tentavam alcançar o cume do Pico dos Marins.

No caminho, um deles torceu o pé e o líder autorizou que Marco Aurélio voltasse sozinho ao acampamento para pedir ajuda. O grupo se perdeu e, quando chegou ao local, encontrou a mochila de Marco Aurélio, mas o adolescente não estava lá. Foram 28 dias de buscas com policiais de diferentes corporações, além de mateiros, alpinistas, especialistas e aeronaves. Moradores chegaram a se voluntariar e até videntes participaram das buscas na tentativa de ajudar.

Encerrado em 1990 sem conclusão, o inquérito foi retomado em julho de 2021 após autorização da Justiça, com novos indícios sobre o que pode ter acontecido.

Carregando