Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Porto São Luís deve movimentar mais de 10 mi de toneladas ao ano

Projeto foi apresentado durante reunião com a diretoria da Fiema.

Thomaz Baker apresenta dados sobre o projeto do Porto São Luís a dirigentes da Fiema (Foto: Divulgação)

O gerente da construção do Terminal de Uso Privado Porto São Luís S.A, Thomaz Baker, participou, na última terça-feira (10), de uma reunião na Federação das Indústrias (Fiema), onde apresentou detalhes do projeto. Segundo ele, São Luís ganhará um porto ainda melhor que o projeto inicial.

“A construção do Porto São Luís gerará milhares de empregos na fase inicial de construção. São Luís receberá um novo Porto que tem um projeto melhor e mais eficaz que o projeto inicial”, disse Baker.

De acordo com o executivo, o porto deverá ter capacidade de movimentação de cerca de 10 milhões de toneladas por ano; distribuídos em 7 milhões de soja e milho; 1,5 milhão de fertilizantes; 1,5 milhão de carga geral; e 1, 8 milhão de metros cúbicos de derivados de petróleo.

Baker ressaltou que o Porto São Luís é estratégico e vital para o desenvolvimento do estado. Ele justificou que o atraso nas obras do porto ocorreu por diversos fatores que são comuns em projetos complexos como a burocracia na obtenção de licenças, questões fundiárias, autorizações e permissões junto aos órgãos públicos nas diversas esferas de governo, alterações cambiais entre outras.

Ele também citou algumas ações do Porto como a construção de uma escola, uma delegacia de Polícia Civil e uma unidade da Polícia Militar, no Km 7 da BR135 na Vila Maranhão.

Empresa local

Os diretores da Fiema foram unânimes em destacar a necessidade de parceria entre as entidades do Sistema Fiema (Sesi/Senai) e do Sistema S no Maranhão para a qualificação profissional da mão de obra local e a importância de contratação das empresas maranhenses para a obra e áreas afins ao projeto portuário.

“Precisamos utilizar a mão de obra local e as empresas maranhenses nesse grande projeto. Estamos à disposição para atender as demandas do Porto e ser um parceiro!”, destacou o superintendente da Fiema, Cesar Miranda.

“Temos o PDF e já realizamos rodada de negócios com empresas maranhenses de todos os portes e o Porto e isso gerou uma expectativa que precisa ser retomada”, destacou o vice-presidente executivo da Fiema, Celso Gonçalo.

O presidente do Sindicato da Construção Civil (Sinduscon), Fábio Nahuz, falou sobre a possibilidade de reativação do projeto Comunidade Ativa e da importância da participação das empresas locais na obra.

“Temos empresas maranhenses com expertise em grandes obras e quem podem atuar no Porto São Luís. Somos parceiros desde o início desse grande empreendimento e queremos somar com o desenvolvimento e o crescimento econômico do Maranhão”, destacou o presidente do Sinduscon e vice-presidente executivo da FIEMA, Fábio Nahuz

Sobre o ‘Comunidade Ativa’, Nahuz destacou a realização dos atendimentos oftalmológicos gratuitos na Unidade Móvel de Oftalmologia do Serviço Social da Indústria do Maranhão (Sesi-MA), e os cursos de qualificação ministrados pelo Senai-MA.

Carregando