Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Homem pede indenização após ex-namorada expor relacionamento nas redes sociais

O homem alegou que a publicação teria o intuito de manchar sua imagem, pois era possível identificá-lo como o responsável pelas violências

Foto: Reprodução

A Justiça negou pedido de um homem que queria indenização da ex-namorada que expôs o relacionamento dos dois nas redes sociais. A desembargadora entendeu que a simples narrativa de relação conturbada nas redes sociais não causou danos morais.

Segundo o pedido, após o fim do relacionamento entre o casal, a acusada fez uma postagem sobre a relação com o autor da ação, sem citar o nome dele, nas redes sociais. A publicação foi parte do movimento “exposed”, no qual mulheres relatavam situações em que sofreram violência de gênero.

O homem alegou que a publicação teria o intuito de manchar sua imagem, pois era possível identificá-lo como o responsável pelas violências retratadas. Argumentou ainda que sofreu agressões nas redes sociais e desenvolveu problemas psicológicos por conta do ocorrido.

Para a desembargadora do Tribunal de Justiça de São Paulo, Maria de Lourdes Lopez Gil, não há como compreender que a narrativa da ré, em sua publicação, tenha efetivamente atingido negativamente a imagem do autor a ponto de produzir os danos morais alegados. “Entender como ensejadora de reparação judicial a conduta da ré neste caso significaria até mesmo compreender que a crença a respeito da evolução positiva no âmbito psicológico e social do autor não seriam mais possíveis, o que não se revela acertado na hipótese.”

“Casos outros de desentendimentos públicos entre ex-namorados não são nenhuma novidade nos círculos sociais, sendo necessário algo em concreto de maior gravidade para que se possa compreender por um abalo psicológico significativo para fins indenizatórios e/ou pelo efetivo atingimento suficiente de direito da personalidade”, pontuou a magistrada.

Para o advogado Rodrigo Fernandes Pereira, membro do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM, a decisão foi correta. “Inobstante a liberdade de expressão seja protegida constitucionalmente, não é possível injuriar, difamar e caluniar. O excesso pode e deve ser punido. O livre arbítrio de se manifestar, inclusive de forma contundente e crítica, não.”

“No caso concreto, houve um desabafo de uma jovem no Twitter, após ter o relacionamento encerrado unilateralmente pelo então namorado. Sem citar o nome dele, embora fosse possível identificá-lo em uma pesquisa nas publicações da ré, fez considerações sobre o relacionamento abusivo havido”, pondera o especialista.

Rodrigo ressalta que vivemos uma nova era. “Antes contava-se o fato para a amiga, para o amigo, hoje manifestamo-nos nas redes sociais, que muitas vezes são nosso confessionário, nosso depositário de angústias, sofrimentos, desejos, sonhos. Nosso travesseiro.”

Segundo ele, a linha entre liberdade de expressão e abuso na linguagem é tênue, e cada situação deve ser enfrentada de acordo com suas peculiaridades. “Reprimir o depoimento de um cidadão nas redes sociais, que contou a sua história e entender que por si houve dano moral, sem a prova da repercussão psicológica da suposta ofensa, não é possível.”

“Não há dúvida que as redes sociais são um tribunal sem leis e as pessoas devem zelar pela verdade nas suas publicações, mas a exceção é a reprimenda judicial pelo excesso, não a regra”, destaca.

O advogado conclui que, no âmbito do Direito de Família, em que pese a vasta doutrina e jurisprudência que tratam do dano anímico indenizável na sua seara, por agressões físicas, à honra, mesmo se admitindo o dano moral ‘in re ipsa’, deve haver a prova cabal de que o fato ofensivo atingiu a esfera pessoal do ofendido. “Há de se perquirir sobre o dano, o ato ilícito e o nexo causal entre eles.”

Carregando