Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Municípios do MA devem vacinar cidadão de qualquer localidade

A orientação visa facilitar o acesso à segunda dose da imunização e garante o esquema completo de imunização.

Governo orienta municípios a vacinar cidadão independente da localidade da primeira dose contra a Covid-19 (Foto: Divulgação)

O Governo do Maranhão informou que tem reforçado com os municípios maranhenses quanto a administração da segunda dose da vacina contra a Covid-19, independentemente do local da imunização da primeira dose. A orientação considera Nota Técnica do Ministério da Saúde, presente no 41º Informe Técnico do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

Conforme a nota, “a aplicação da segunda dose deve ser garantida independente da Unidade da Federação ou Município em que a primeira foi realizada, garantindo assim o esquema vacinal de toda a população brasileira”. Ainda segundo o informe, “em casos de excepcionalidade, o estado deverá enviar relatório ao Ministério da Saúde com as informações necessárias para reanálise da distribuição”.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, destacou que a orientação facilita o acesso à Dose 2 da vacina e garante o esquema completo de imunização. “O SUS é universal. Portanto, o brasileiro pode ter acesso aos serviços públicos de saúde em qualquer lugar do país. A vacinação deve ser garantida a qualquer pessoa que vacinou em outra cidade do país, mas se encontra em qualquer município maranhense no prazo de tomar a segunda dose”, explicou.

Se houver necessidade de doses extras por conta da demanda, novas doses podem ser enviadas aos municípios. “De acordo com a necessidade e os pedidos dos municípios, estaremos enviando a solicitação para o Ministério da Saúde, conforme disposto na nota”, destaca a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Tayara Pereira.

No informe, o Ministério da Saúde segue recomendando, mesmo com o avanço da vacinação, a manutenção das medidas não farmacológicas de prevenção à transmissão do vírus, tais como: uso de máscara, distanciamento social, etiqueta respiratória e higienização das mãos, dos objetos de uso pessoal e comercializados, dentre outros.

Carregando