Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Petrobras não atenderá toda a demanda e mercado teme desabastecimento de combustíveis

De acordo com a companhia, os pedidos teriam vindo acima de sua capacidade de produção.

Refinaria da Petrobras em Paulínia (SP) — Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Em comunicado emitido na tarde desta terça-feira, 19, a Petrobras afirmou que não conseguirá atender todos os pedidos de fornecimento de combustíveis para o mês de novembro. De acordo com a companhia, as demandas teriam vindo acima de sua capacidade de produção. A informação ligou o alerta nas distribuidoras, que apontam risco de desabastecimento no país.

A “demanda atípica” de pedidos de fornecimento de combustíveis para o próximo mês foi muito acima dos meses anteriores e de sua capacidade de produção, informou a petroleira. Segundo a Petrobras, apenas com muita antecedência conseguiria se programar para atender a alta demanda.

A confirmação vem após a Associação das Distribuidoras de Combustíveis Brasilcom – que representa mais de 40 distribuidoras regionais de combustíveis – ter afirmado na semana passada que a petroleira teria avisado diversas associadas sobre “uma série de cortes unilaterais nos pedidos feitos para fornecimento de gasolina e óleo diesel” para novembro.

Para a associação, “as reduções promovidas pela Petrobras, em alguns casos chegando a mais de 50% do volume solicitado para compra, colocam o país em situação de potencial desabastecimento”.

Isso porque, segundo a Brasilcom, as empresas não estão conseguindo comprar combustíveis no mercado externo, pois os preços do mercado internacional “estão em patamares bem superiores aos praticados no Brasil”.

A Petrobras e o governo federal vêm sofrendo pressões de diversos segmentos da sociedade devido a um avanço expressivo dos preços dos combustíveis no país neste ano, que têm refletido cotações internacionais. Nesse contexto, a petroleira tem reajustado os preços em intervalos maiores nos últimos meses, evitando repassar volatilidades externas.

O Brasil não produz o volume de combustíveis necessário para abastecer o país e depende de importações. A Petrobras, nos últimos anos, vem buscando praticar preços de mercado, para garantir que as compras externas não tragam prejuízos.

Agência Nacional do Petróleo garante que não há risco

A reguladora ANP afirmou nesta terça-feira em nota que “não há indicação de desabastecimento no mercado nacional de combustíveis, nesse momento”, após a Petrobras informar ao mercado que não atenderá completamente a demanda das distribuidoras de novembro.

Em comunicado na véspera, a petroleira afirmou que recebeu uma “demanda atípica” de pedidos de fornecimento de combustíveis para o próximo mês, muito acima dos meses anteriores e de sua capacidade de produção, e que apenas com muita antecedência conseguiria se programar para atendê-los.

“A ANP segue realizando o monitoramento da cadeia de abastecimento e adotará, caso necessário, as providências cabíveis para mitigar desvios e reduzir riscos”, disse a ANP em nota.

Carregando