Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

População reclama da falta de informações sobre as negociações sobre a greve dos rodoviários

Usuários mostram preocupação com o cenário de incertezas.

Mesmo com dez de paralisação, usuários do transporte público desconhecem o andamento das negociações para o fim da greve (Foto: Gilson Ferreira)

A greve dos rodoviários completou dez dias neste sábado (30) e não tem previsão para terminar. Além de reajuste salarial de 10%, no início era 13%, os profissionais querem uma jornada de trabalho de seis horas, tíquete de alimentação no valor de R$ 800, manutenção do plano de saúde e a inclusão de um dependente e a concessão do auxílio-creche, para trabalhadores com filhos pequenos.

Em São Luís, quem depende do transporte público afirma desconhecer o andamento das negociações, e reclama de tanto tempo sem ônibus nas ruas. A última reunião entre empresários e rodoviários ocorreu na segunda-feira (25).

“Estamos vendo a todo momento, por meio da imprensa, as dificuldades de as pessoas chegarem aos seus locais de trabalho, e do aumento de passagens nos transportes alternativos, mas sobre como andam as negociações pouco é falado. Tenho um filho de 13 anos que está sem ir para a escola, devido não ter ônibus. Quero saber o movimento das partes envolvidas nesta ‘briga’, para que se chegue ao fim da greve”, declarou Roseana Nunes Fonseca, que mora no Anjo da Guarda, e trabalha na feira do bairro.

“Não houve mais negociação desde a última segunda-feira (25)?! O que os rodoviários estão fazendo, além da paralisação, para terem suas reivindicações atendidas? O que os empresários fazem para por fim ao movimento grevista? Isto é uma greve de incertezas. Quem depende unicamente do ônibus coletivo, fica sem poder planejada nada que envolva sair do bairro”, disse outra moradora do Anjo da Guarda, Márcia Dias, que é autônoma, mas informou que seu marido só está conseguindo chegar ao serviço, porque ele trabalha no Centro, os carrinhos-lotação que saem do Anjo da Guarda têm a região central da capital como destino.

A última nota oficial dos Sindicato dos Rodoviários do Maranhão, disparada à imprensa, foi divulgada pela assessoria de comunicação da entidade na quarta-feira (27).

A nota informava que até aquela data não havia qualquer sinalização de um encontro entre os rodoviários e empresários, no intuito de discutir soluções, que visassem atender as reivindicações dos trabalhadores.

Já o Sindicato das Empresas de Transporte (SET), também por meio de nota pública, informou que na sexta-feira (15) foi notificado pelo Sindicato dos Rodoviários acerca da greve geral.

No mesmo dia, o SET teria ingressado com ação judicial perante o Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região, por considerar que o direito de greve não é absoluto, estando sujeito a limites constitucionais e legais, especialmente em se tratando de atividade essencial.

O Sindicato das Empresas de Transporte disse que se mantém aberto ao diálogo e às negociações, porém não informou se tem procurado a categoria, se tem partido do SET alguma movimentação em direção a um acordo que colocaria o fim ao movimento paredista.

MEDIAÇÃO DO MPT-MA 

O Ministério Público do Trabalho do Maranhão (MPT-MA) informou que realizou duas audiências de mediação coletiva. A primeira foi na sexta-feira (22), pela manhã; e outra no sábado (23), à noite, ambas sem acordo extrajudicial.

Na segunda-feira (25), o MPT-MA chegou a agendar uma terceira audiência, porém ela foi cancelada por conta de uma reunião na Prefeitura de São Luís com os dois sindicatos e o prefeito Eduardo Braide.

Desde então, o MPT-MA estaria à disposição dos sindicatos para agendamento de nova audiência, mas até ontem (29) não havia sido procurado por nenhuma das duas entidades de classe.

Na terça-feira (26), a Justiça do Trabalho divulgou uma nota pública, na qual afirmava a iniciativa do órgão em buscar uma nova mediação entre empresários e rodoviários. Na nota, é informado que o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região, desembargador José Evandro de Souza do Tribunal, fez audiências isoladas na terça-feira, com representantes do Sindicato dos Rodoviários e do Sindicato das Empresas de Transportes, além de representantes da Prefeitura de São Luís.

José Evandro teria feito comunicados a todos os envolvidos o resultado das conversas, e estaria no aguardo do posicionamento dos sindicatos, o que não houve até ontem (29).

PREFEITURA

A Prefeitura de São Luís informou que houve uma nova reunião na quinta-feira (28), entre a Secretaria Municipal de Governo e o Sindicato das Empresas de Transportes (SET), para que haja um entendimento entre empresários e rodoviários.

A Prefeitura informou, ainda, que já apresentou proposta de auxílio ao sistema de transporte público. E que as tratativas seguiriam nessa sexta-feira (29).

Leia mais: Prefeitura de São Luís formaliza proposta de auxílio do transporte público

Carregando