Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Sindicato dos Rodoviários acusa empresas de descumprirem acordo e ameaça greve em São Luís

O Sindicato afirma que se as empresas não cumprirem os acordos, em 72 horas haverá paralisação geral

Foto: Reprodução

SÃO LUÍS – O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão, em nota divulgada nesta quinta-feira (4), informou que, devido ao descumprimento das cláusulas econômicas da Convenção Coletiva de Trabalho e do acordo firmado entre o sindicato e as empresas do transporte público, os rodoviários das empresas Autoviária Matos, Viação Abreu/Seta Transportes, Planeta/São Benedito, Ratrans e Pelé/Patrol poderão entrar em greve novamente.

O Sindicato afirma que se as empresas não cumprirem os acordos, em 72 horas haverá paralisação geral por tempo indeterminado, nos termos que faculta a lei 7.783/89. Pelo acordo feito, as empresas que estão com meses de salários atrasados teriam até essa quarta (3) para quitar os salários.

Um ofício foi encaminhado para as empresas, para o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (SET) e para os órgãos competentes como Agência Estadual de Mobilidade Urbana 9MOB) e Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte.

Por meio de nota, a Prefeitura de São Luís informou que já efetuou o pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial ao sistema de transporte público, bem como já encaminhou à Câmara Municipal o projeto de lei que cria o “Cartão Cidadão”.

12 dias de paralisação

A greve dos rodoviários teve início em 21 de outubro. 100% da frota foi paralisada. Os trabalhadores exigiam da classe patronal 13% de reajuste salarial; jornada de trabalho de seis horas; manutenção do plano de saúde e a inclusão de um dependente; concessão do auxílio-creche, para trabalhadores com filhos pequenos.

Após intensas negociações, no dia 1º de novembro houve um acordo e o Sindicato das Empresas de Transporte (SET) e o Sindicato dos Rodoviários aceitaram a proposta feita pela gestão municipal da capital, sem haver aumento da tarifa.

– Reajuste salarial de 5%
– Percentual de 6% no tíquete alimentação, que corresponde a R$ 620.
– Não haverá descontos nos doze dias de paralisação nos salários dos trabalhadores rodoviários

Carregando