Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Mary Ferreira lança obra com diagnóstico sobre leitura no Maranhão

A publicação reflete as análises de uma ampla pesquisa realizada em 13 municípios maranhenses.

Mary Ferreira lança obra com diagnóstico sobre leitura no Maranhão, nesta quinta-feira (Foto: Divulgação)

A bibliotecária e professora da UFMA, Mary Ferreira, lança nesta quinta-feira, 11, o livro “Bibliotecas, Livro e Leitura no Maranhão”, editado pela EDUFMA, com apoio da Fapema por meio do Edital Sérgio Ferreti Livro.

A publicação reflete as análises de uma ampla pesquisa realizada em 13 municípios maranhenses, abordando a problemática das bibliotecas, livros, leitura e livrarias no Maranhão.

A pesquisa, que atingiu os municípios de São Luís, Pinheiro, Arari, Chapadinha, Araioses, Caxias, Codó, Coroatá, Timbiras, São José de Ribamar, Santa Inês, Imperatriz e Balsas, revela um quadro bastante preocupante em relação à situação das bibliotecas municipais, e a falta de bibliotecas na maior parte das escolas da rede pública de ensino. Em alguns casos, não ultrapassam o limite de amontoado de livros dispersos em espaços insalubres.

“As bibliotecas são consideradas historicamente espaços de memória, leitura e informação, que ao longo da história social cumprem um importante papel em preservar e socializar o saber construído pela humanidade”, explica a professora Mary Ferreira.

A pesquisa revelou ainda a omissão do Estado na promoção da política pública de leitura, embora haja avanços em outros empreendimentos importantes para sanar a falta de espaços de leitura e informação no Maranhão. As Escolas Dignas são exemplo desse avanço.

Como mediador da informação e do conhecimento, o bibliotecário é um profissional imprescindível na política de estimulo à leitura.  Há, em muitas situações, a ausência do profissional da informação, cujo trabalho de sistematizar e socializar o saber funciona como um farol nos espaços em que atua.

O livro reflete ainda sobre a ausência de livrarias na maioria dos municípios maranhenses. O fato dificulta mais ainda o acesso à informação e ao conhecimento, contribui para tornar ainda mais grave o obscurantismo que se vive no Brasil no atual contexto.

“A nossa expectativa com este livro é instigar autoridades e sociedade civil, alertando professores e famílias, jovens e idosos para repensar as instituições de leitura e informação no Maranhão, nestes tempos de negação da história e do apagamento de memórias”, assinala Mary Ferreira.

Carregando