Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

São Luís vai aplicar 3ª dose da vacina contra a Covid a partir de 30 anos

A terceira dose será aplicada em quem recebeu a 2ª dose até 20 de junho e começa nesta quarta

Foto: Reprodução

SÃO LUÍS – Por meio de suas redes sociais, o prefeito Eduardo Braide anunciou nesta terça (16) que a capital maranhense vai iniciar a imunização com a 3ª dose da vacina contra a Covid-19 pessoas que tenham a partir de 30 anos.

A terceira dose será aplicada em quem recebeu a 2ª dose até 20 de junho e começa nesta quarta-feira (17) em todos os postos de atendimento disponibilizados pela Prefeitura.

 3ª dose

Nesta terça, o Ministério da Saúde autorizou Estados e Municípios a aplicarem a 3ª dose da vacina contra a Covid-19 em todas as pessoas a partir de 18 anos.

O ministro Marcelo Queiroga assegurou que o país tem doses suficientes para oferecer essa terceira aplicação em todos os adultos entre novembro de 2021 e maio de 2022, nos 38 mil postos de saúde espalhados pelo país.

“Graças às informações preliminares que temos dos estudos científicos de efetividade, realizados em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) e a Universidade de Oxford, nós decidimos ampliar essa dose de reforço para todos aqueles acima de 18 anos”, anunciou Queiroga.

De acordo com as informações divulgadas pelo Ministério da Saúde, os brasileiros receberão a terceira dose cinco meses depois de terem tomado a segunda (no caso dos imunizantes CoronaVac, da Pfizer e da AstraZeneca).

Ou seja: quem completou o esquema vacinal em outubro de 2021 poderá ir aos postos de saúde para a terceira dose por volta de março de 2022.

Já para aqueles que tomaram a vacina da Janssen, que era de dose única, o ministério passa a indicar uma segunda dose com dois meses de intervalo. Cinco meses depois, o indivíduo poderá tomar o reforço (leia mais abaixo).

O Ministério da Saúde diz que fará campanhas de comunicação para informar mais detalhes sobre esse cronograma. As secretarias de Saúde dos Estados e dos municípios também devem criar calendários próprios, seguindo a orientação do governo federal, o quantitativo de doses enviadas e as características da população local.

Carregando