Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Unidade de Acolhimento promove Roda de Conversa com o tema “A Saúde Mental no Contexto Pós-Alta”

Palestra foi ministrada pelo Dr. Luiz Almeida – Psicólogo Terapeuta Cognitivo Comportamental.

Palestra foi ministrada pelo Dr. Luiz Almeida - Psicólogo Terapeuta Cognitivo Comportamental (Foto: Divulgação)

Nessa sexta-feira (5), a Unidade de Acolhimento (UA) Estadual, que é gerenciada pelo Instituto Vida e Saúde (Invisa), promoveu uma Roda de Conversa que teve como tema ” A Saúde Mental no Contexto Pós-Alta”, ministrada pelo Dr. Luiz Almeida – Psicólogo Terapeuta Cognitivo Comportamental. A palestra educativa contou ainda com a presença dos colaboradores, como a equipe multiprofissional.

Dácia Almeida, Terapeuta Ocupacional, destacou os benefícios da ação: “Cuidar da saúde mental é cuidar bem da vida. A vida grita em seu contexto Biopsicosocial por uma mente melhor preparada para enfrentar as guerras cotidianas laborais, espirituais e psicoemocionais . A Terapia Ocupacional através de suas atividades diversas oferece aos nossos acolhidos um leque de percepções e responsabilização no seio familiar e frente a sociedade na qual ele precisa reinserir- se no pós-alta”.

O psicólogo Luiz Almeida frisou que a dependência química é caracterizada como uma doença crônica, progressiva e que pode piorar com o passar do tempo. De acordo com a OMS – Organização Mundial de Saúde, pode fazer surgir outras doenças e também ser fatal.

A dependência química deve ser tratada com a participação de diversos profissionais de saúde, tais como: terapeuta ocupacional, enfermeiro, médico psiquiatra, psicólogos, assistentes sociais, entre outros.

“O dependente químico chega num estado de consumo exagerado de drogas que se faz necessária uma internação para “cortar” esse uso continuo de substâncias, e com isso, tentar, após um período internado, reintegrar esse doente à sociedade”, frisou o psicólogo.

“Após alguns meses de internação, o dependente químico precisa retornar ao dia a dia de sua vida e necessita de ferramentas pra lidar com essa nova realidade de viver em recuperação”, completou.

Dr. Luiz Almeida ressaltou a importância do evento realizado pela Unidade de Acolhimento: “Nosso objetivo com essa roda de conversa foi dar ferramentas que ajudem esse doente a enfrentar as realidades que irá encontrar na saída da clinica. Também, para que ele possa aprender a fazer as escolhas certas e conseguir ter uma vida de qualidade, conseguindo ficar longe das drogas”, pontuou.

Além de psicólogo, o Dr. Luiz Almeida é psicólogo, jornalista, terapeuta cognitivo comportamental, com atuação na área da dependência química e autor do livro “Uma Mente Compulsiva”, além de ser criador do Projeto A TUA AÇÃO, roda de conversa sobre prevenção às drogas e compulsão.

A Enfermeira Daiane de Oliveira Costa, Coordenadora da Unidade de Acolhimento Estadual, frisou que a Unidade é um serviço da RAPS ligado diretamente ao CAPS AD Estadual para tratamento dos dependentes de substâncias psicoativas – SPA’s que fazem opção de um tratamento integral de caráter voluntario. Atualmente, a UA conta com 11 internos do sexo masculino.

“O evento teve o objetivo de chamar atenção para as questões e necessidades relacionadas à saúde mental e emocional da população. No primeiro mês do ano, em termos culturais, as pessoas estão mais propensas a pensarem em suas vidas, é como uma folha ‘ou uma tela em branco’. Todas as pessoas podem ser inspiradas a escreverem ou reescreverem as suas próprias histórias de vida. Pensar sobre o tema da saúde mental ‘Quem Cuida da Mente, Cuida da Vida. É preciso olhar para si’ refere em suas emoções e em seus sentidos existenciais”, destacou Daiane Costa.

Após a Roda de Conversa, foi oferecido um lanche aos acolhidos, especialmente preparado pela equipe da UA.

A Unidade de Acolhimento Estadual está instalada na Rua dos Acapus, nº 24, quadra 77 – Jardim Renascença I.

Carregando