Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Parceria pretende facilitar o acesso de mulheres vítimas de violência a cirurgias reparadoras

Termo também é voltado para a disponibilização de Equipe Multidisciplinar de atendimento 24 horas na Casa da Mulher Brasileira.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, assinou dois termos de parceria com a Casa da Mulher Brasileira do Maranhão para ampliar o atendimento a mulheres vítimas de violência. A iniciativa pretende facilitar o acesso dessas mulheres a cirurgias reparadoras e ao cuidado multidisciplinar com psicólogos e assistentes sociais para atendimento 24 horas.

O primeiro termo assinado objetiva a realização de cirurgias reparadoras conforme disciplina a Lei nº 13.239/2015, que dispõe sobre a oferta e a realização, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Com o segundo documento, a parceria é voltada para a disponibilização de Equipe Multidisciplinar de atendimento 24 horas na Casa da Mulher Brasileira, tendo em vista as ações de atenção às vítimas de violência física.

Secretário assinou dois termos de parceria com a Casa da Mulher Brasileira (Foto: DIvulgação)

“O Dia Internacional da Mulher é uma data para relembrar a luta histórica das mulheres por mais direitos e condições de igualdade. Do ponto de vista da saúde, hoje ratificamos o compromisso de combater as consequências da violência, dando prioridade àquelas que sofreram algum tipo de atentado contra o seu corpo, com cirurgia plástica reparadora no SUS, além de outros cuidados necessários”, disse o secretário Carlos Lula.

De acordo com a coordenadora das Delegacias da Mulher do Estado, Kazumi Tanaka, o Maranhão é um dos estados que mais avançou em políticas públicas para defesa das mulheres. “Apenas prender o agressor não resolve o quadro de violência, pois as sequelas dela permanecem. O Estado está de parabéns, pois além de buscar reforçar a repressão desse tipo de crime, também está dando o acolhimento e o acompanhamento para que as vítimas tenham a possibilidade de resgatar a autonomia e ter a liberdade para viver plenamente”, destacou.

A diretora da Casa da Mulher Brasileira, Susan Lucena, afirmou que é momento de comemorar. “São mulheres que quase tiveram suas vidas ceifadas, cujos corpos foram maculados. É difícil curarmos a alma, mas podemos curar o corpo e, a partir disso, possibilitar que elas consigam se olhar no espelho e assim iniciarem o seu processo de cura, minimizando as marcas da violência sofrida”, ressaltou.

Uma das usuárias da Casa da Mulher Brasileira é Girlene Silva. Em 2018, ela sofreu diversos ferimentos por arma branca, ficando entre a vida e a morte. Com o termo, Girlene se torna a primeira de 45 mulheres que serão beneficiadas com a cirurgia reparadora. “Estou aqui para agradecer pela cirurgia reparadora a qual serei submetida e pelo apoio que tive em relação às consultas, e também pelos atendimentos com psicólogo. Eu estou feliz por estar viva e por poder compartilhar essa vitória conquistada”, contou.

Carregando