Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Bolsonaro zera IOF sobre empréstimo a distribuidoras de energia

A medida assinada pelo presidente resultará em menos juros a serem pagos pelos consumidores de energia a partir de 2023

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro zerou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre o empréstimo a distribuidoras de energia, aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na terça-feira (15). O valor do empréstimo, de R$ 10,5 bilhões, deve encarecer as contas de energia a partir de 2023.

Pelos cálculos, o governo federal deve deixar de arrecadar R$ 188 milhões com a medida. A isenção de IOF resultará em menos juros a serem pagos pelos consumidores de energia a partir de 2023.

O emprestimo concedido para as distribuidoras de energia teve como justificativa ‘amenizar’ os prejuízos acarretados pela crise energética do ano passado. O dinheiro será depositado na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) e rateado entre as distribuidoras pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), conforme o prejuízo de cada empresa com a escassez hídrica.

O valor da primeira parcela cobrirá R$ 2,33 bilhões do adiamento de cobranças da conta de luz pelas distribuidoras e R$ 1,68 bilhão do bônus para os consumidores que economizaram energia no segundo semestre do ano passado. Também serão cobertos R$ 790 milhões de importação de energia no auge da crise hídrica, em julho e agosto de 2021; e R$ 540 milhões do saldo negativo das bandeiras tarifárias que arrecadaram menos que o necessário.

Estimada em R$ 5,2 bilhões, a segunda parte do empréstimo ainda passará por consulta pública e não tem previsão de quando será regulamentada pela Aneel. Essa parcela cobrirá o custo do leilão emergencial para contratação de energia de usinas termelétricas para fornecimento a partir de 1º de maio deste ano.

Segundo a Aneel, o prazo total do financiamento e os juros do empréstimo ainda serão definidos com os bancos que participarão da operação. O órgão prevê que o dinheiro chegue às distribuidoras na primeira quinzena de abril.

Carregando