Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Jornalista lançará o livro “Filho de Pandemia” neste sábado, em São Luís

Diego Amorim é jornalista e chefe de Redação do site O Antagonista.

O jornalista Diego Amorim fará hoje o lançamento de seu livro, na UNDB (Foto: Divulgação)

O livro “Filho de Pandemia” – Os 110 dias do diário de um pai no momento mais desafiador para qualquer família – será lançado neste sábado (19) em São Luís. A tarde de autógrafos será às 16h, na UNDB Centro Universitário do Golden Shopping Calhau, na Avenida dos Holandeses.

A autoria do livro é do jornalista e escritor Diego Amorim, chefe de Redação de O Antagonista, que relatou a experiência de ter um filho durante as incertezas da pandemia do novo coronavírus. O prefácio é do ex-ministro do STF, Carlos Ayres Britto e elogiado pelo ex-ministro de Saúde, Henrique Mandetta.

Diego Amorim tem 36 anos e costuma dizer que é jornalista e leitor da vida. Nasceu em Teresina, mas mudou-se com a família para Brasília ainda pequeno. Atua como repórter na capital federal desde 2004. Acumula um punhado de prêmios e homenagens na carreira, como o Esso e o Líbero Badaró. É casado, tem duas enteadas e um filho.

Atualmente, Diego é chefe de redação do site O Antagonista e, quando encontra tempo, dá aulas sobre comunicação e catolicismo.

Um diário escrito de pai para filho, com relatos de cenas e sentimentos de uma família com o desafio extra de ter um recém-nascido em casa em plena pandemia. Não é exagero dizer que se trata de um documento histórico sobre como as famílias encararam este momento tão desafiador para toda a humanidade.

O próprio autor define assim a sua obra, convidando à leitura: “Este diário é um presente para o meu filho. Mas é um presente para mim e para você também. Com relatos iniciados na Páscoa de 2021, em meio ao avanço da pandemia e diante da expectativa da vacinação, abro as portas da minha casa para você. Coloque a máscara, lave as mãos ou use o álcool em gel, mantenha certo distanciamento, mas pode entrar. A minha casa é também a sua. Os meus sentimentos são os seus. O meu cansaço é o seu. As minhas alegrias são as suas. Este diário une todo mundo que sabe que a vida vale a pena. Às vezes, é verdade, dói um bocado, os dias assustam, mas sempre, sempre vale a pena.”

O prefácio foi escrito pelo jurista e poeta Carlos Ayres Britto, ex-presidente do STF. Eis um trecho:

“Diego Amorim se desnuda ou se dá por completo em seu tão inato quanto exemplar humanismo. Revela o quanto de ‘Humano, demasiado humano’ (para lembrar Nietzsche) é preciso botar para fora nesses dramáticos momentos em que o destino da humanidade inteira transita por um fio de navalha, permito-me dizer. (…) Extremamente preocupado com os malefícios da pandemia e sobre o que fazer para entendê-la tecnicamente e contribuir para o seu eficaz enfrentamento em perspectiva pessoal, familiar e coletiva, sobretudo. Com o que se dota de um tipo de coragem e de imaginação à moda Albert Einstein e Hannah Arendt, para quem ‘É preciso fazer das dificuldades oportunidades’.

Carregando