Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Professores da rede de ensino municipal de São Luís entram em greve

A Prefeitura de São Luís oferece reajuste de 5%, um valor, segundo o Sindicato, muito abaixo do que a categoria reivindica

Professores da rede municipal de ensino entraram em greve na segunda-feira, 18 (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS – Exigindo reajuste salarial de 33,24%, os professores da rede municipal de ensino entraram em greve nesta segunda-feira (18). De acordo com o Sindicato dos Profissionais do Ensino Público de São Luís (Sindeducação), o movimento grevista foi aprovado pelos professores no último dia 8 de abril. A paralisação das atividades teve início às 8h, com concentração na Praça Deodoro, no Centro da capital.

A Prefeitura de São Luís oferece reajuste de 5%, um valor, segundo o Sindicato, muito abaixo do que a categoria reivindica em sua campanha salarial, que é atualização do piso nacional de 33,24% para docentes do nível médio, e a repercussão em toda tabela salarial do magistério, com 36,56% de reajuste para todos os professores com nível superior.

Ainda segundo o Sindeducação, os professores da rede municipal de ensino estão há 5 anos sem aumento de salário, e a proposta feita pela Prefeitura de São Luís, de reajustar em apenas 5% os salários, é considerada ‘imoral’ pela categoria.

“Foi somente por meio de muita mobilização realizada pelo sindicato e categoria, que as reformas nas escolas foram iniciadas e, ainda assim, há muito para ser feito, pois, menos de 50%, das 258 escolas foram reformadas. As aulas na Zona Rural de São Luís, por exemplo, iniciaram sem transporte escolar, a alimentação oferecida para os alunos necessita de mais qualidade, entre outras demandas. O Sindeducação também organiza o movimento grevista para pedir pelo fim do assédio moral e mais transparência no orçamento e as contas da Prefeitura de São Luís”, diz um trecho da nota do sindicato sobre a greve da categoria.

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) afirma que a atual gestão recebeu a rede física escolar sem nenhuma escola em condição mínima de funcionamento durante a pandemia. Diante do fato, o município, afirma a Semed, deu início ao maior programa de reformas de escolas de São Luís. De todas as unidades, em apenas 1 ano e 3 meses, 50% já foram totalmente reformadas e as demais passaram por intervenções necessárias para garantir o retorno das aulas, prioridade para este momento. A nota diz ainda que todas as escolas serão reformadas pelo programa Escola Nova.

Carregando