Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

TRT no Maranhão confirma edital de concurso público

O órgão confirmou que recebeu o ofício do Conselho Superior com o aval para a nova seleção

Foto: Reprodução

SÃO LUÍS – O Tribunal Regional do Trabalho no Maranhão (TRT 16), deve lançar edital de concurso público ainda em 2022. O órgão confirmou que recebeu o ofício do Conselho Superior com o aval para a nova seleção. Com isso, o próximo passo será a definição do número de vagas e cargos que serão contemplados.

O TRT também já instituiu uma comissão responsável pela organização do certame. De acordo com a portaria publicada no dia 18 de abril, os servidores designados devem concluir os trabalhos em um prazo de 60 dias.

Atualmente, o TRT 16 possui 20 cargos vagos nas carreiras de Analistas e Técnicos. Os salários para técnico incluem o vencimento básico de R$3.163,07 mais a Gratificação por Atividade Jurídica (GAJ) de R$4.428,30

Para analista, os valores incluem vencimento básico de R$5.189,71 e GAJ de R$7.265,59. Os servidores ainda têm direito a benefícios, como o auxílio-alimentação.

Último concurso TRT MA ocorreu há oito anos
Em 2014, foi aberto e homologado o último concurso do TRT MA. O prazo de validade expirou em outubro de 2018.

A Fundação Carlos Chagas (FCC) foi a banca organizadora na época. A oferta foi de 21 vagas, além de formação de cadastro de reserva. Durante a validade, mais de 180 candidatos foram convocados e o órgão teve um bom aproveitamento na lista de aprovados.

As chances foram para os cargos de técnico judiciário (níveis médio e médio/técnico) e analista judiciário (superior), em várias especialidades. A taxa de inscrição foi de R$62,80 para técnico e R$77,80 para analista.

O concurso TRT MA de 2014 foi composto por prova objetiva e redação, que foram aplicadas nos turnos da manhã (para técnico judiciário) e da tarde (para analista judiciário). As avaliações tiveram caráter eliminatório e/ou classificatório.

Os exames objetivos tiveram questões de Conhecimentos Específicos e Gerais. A duração foi de quatro horas e meia para todos os concorrentes.

Já na redação, o participante teve que elaborar um texto dissertativo, de 20 a 30 linhas, a partir de um assunto que fosse de interesse geral. A pontuação foi de, no máximo, 100 pontos divididos em:

40 pontos para o conteúdo;
30 pontos para a estrutura; e
30 pontos para expressão.
Para ser aprovado, foi necessário que o candidato atingisse, pelo menos, 50 pontos. Além disso, os candidatos a analista judiciário – área apoio especializado – especialidade engenharia, tiveram um estudo de caso, que foi aplicado junto com a prova objetiva.

Carregando