Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Ministério da Saúde injeta R$ 624 milhões para reestruturar o modelo da rede de saúde materno-infantil

Os óbitos maternos concentram-se mais nas regiões Norte e Nordeste, dadas as dificuldades acentuadas nos vazios assistenciais

Foto: Reprodução

Com o objetivo de reduzir os óbitos maternos-infantis agravados na pandemia, o Brasil contará com acréscimo de R$ 624 milhões ao financiamento da rede de saúde. O aprimoramento da assistência terá o fortalecimento das maternidades e a criação dos ambulatórios de assistência a gestantes com alto risco para complicações. 

Com esse montante, o Ministério da Saúde pretende reestruturar o modelo da rede de saúde materno-infantil, para fortalecer a integralidade da assistência e o combate à mortalidade materna e na infância. 

Bem-vindo Oswaldo

Gestante. Foto: Divulgação/Ministério da Saúde.Gestante. Foto: Divulgação/Ministério da Saúde.
SAÚDE
|
MULHERES
Ministério da Saúde injeta R$ 624 milhões para reestruturar o modelo da rede de saúde materno-infantil
Data de publicação: 28 de Maio de 2022, 04:30h, atualizado em 27 de Maio de 2022, 22:49h

Dados preliminares de 2021, apontam alta na taxa de óbitos maternos nos últimos dois anos
Salvar imagem
Texto para rádio
Copiar o texto
Áudio (02:24s)

Com o objetivo de reduzir os óbitos maternos-infantis agravados na pandemia, o Brasil contará com acréscimo de R$ 624 milhões ao financiamento da rede de saúde. O aprimoramento da assistência terá o fortalecimento das maternidades e a criação dos ambulatórios de assistência a gestantes com alto risco para complicações.

Com esse montante, o Ministério da Saúde pretende reestruturar o modelo da rede de saúde materno-infantil, para fortalecer a integralidade da assistência e o combate à mortalidade materna e na infância.

Às vésperas do Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna e Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher, comemorado neste sábado (28), o Ministério da Saúde apontou uma inversão nos motivos dos falecimentos.

Nova edição da Caderneta da Gestante terá 3 milhões de exemplares em 2022

LEITE HUMANO: Saúde lança campanha para aumentar em 5% número de doações

CÂNCER: Exame de mama deve ser realizado a partir dos 40 anos, recomenda SBM

Entre 2017 e 2019, as mortes diretamente ligadas a causas obstétricas, como hipertensão e hemorragias, predominavam. Os dados preliminares de 2021 apontam que causas indiretas, como doenças do sistema respiratório e circulatório, ultrapassaram, somando 1.625 óbitos.

Segundo a diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (DAPES), ginecologista e obstetra Lana de Lourdes Aguiar, com a pandemia, as fragilidades da Rede de Atenção à Saúde foram expostas de Norte a Sul do país.

“Tanto barreiras de acesso ocasionaram demoras quanto a detecção precoce, o diagnóstico e o tratamento oportuno de gestantes e puérperas que eram acometidas pela Covid-19”, afirmou.

A morte materna ocorre durante a gravidez ou dentro de um período de 42 dias seguintes ao parto ou aborto espontâneo, independentemente da duração, devido a qualquer causa relacionada ou agravada pela gestação e seu tratamento.

Para além das estatísticas, fica o vazio das crianças que sequer têm a chance de conhecer quem as trouxe ao mundo.

Apesar de atingir todas as Unidades de Federação, segundo o DAPES, os óbitos maternos concentram-se mais nas regiões Norte e Nordeste, dadas as dificuldades acentuadas nos vazios assistenciais. Apesar disso, com a pandemia, observou-se um aumento representativo da mortalidade materna em estados como Santa Catarina, Paraná e Distrito Federal.

Segundo a médica Lana de Lourdes Aguiar, diretora do DAPES, até a pandemia, a mortalidade materna fazia parte de um indicador de desigualdade social, cenário que passou a não ter mais precedentes. “Ao observar os estados com trajetória na rede de atenção materna e infantil, e com Índices de Desenvolvimento Humano superiores a muitos estados brasileiros, estes performaram insatisfatoriamente no atendimento ágil e oportuno de gestantes e puérperas com Covid.”

Carregando