Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

414 denúncias de violência contra idosos já foram registradas no ano de 2022 em São Luís

Dados são da Defensoria Pública do Estado, que realizou o lançamento da campanha Junho Violeta.

Abertura da campanha de enfrentamento à violência contra o idoso (Foto: Gilson Ferreira)

Entre os meses de janeiro e maio deste ano, foram realizadas 414 denúncias de idosos em situações de violência, junto à Defensoria Pública do Estado do Maranhão. Os casos foram registrados em São Luís, tendo os bairros Anjo da Guarda e São Francisco com maior incidência, com dez casos cada.

De acordo com os dados da Defensoria Pública, a negligência é a forma de violência mais praticada contra os idosos em São Luís, com 27% dos registros; seguida do abuso financeiro, com 17% dos casos; e violência psicológica, com 16%. As estatísticas também apontam violência física, abandono e uso de documentação dos idosos.

Desde 2006, é celebrado em 15 de junho o dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, e durante todo o mês são realizadas ações de enfrentamento.

A data foi declarada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa.

Em alusão à data, a Defensoria Pública do Estado realizou, nessa terça-feira (7), a abertura da programação oficial da Campanha de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 2022. Estiveram presentes no evento instituições governamentais e não governamentais que integram a Rede Nacional de Defesa e Proteção da Pessoa Idosa (Renadi).

O defensor-geral Gabriel Furtado reforçou a atuação da instituição no combate à violência contra o idoso. “Vamos trabalhar para que a política da defesa do idoso seja prioridade. Que cada vez mais, defensores, servidores internalizem essa defesa”, frisou.

O defensor público Vinicius Goulart, do Núcleo de Defesa do Idoso, falou sobre a importância da campanha e destacou o aumento dos casos de violência contra o idoso na pandemia.

“A campanha vem num momento adequado. Durante a pandemia da Covid-19, percebemos o aumento da violência contra a pessoa idosa. O nosso núcleo, de 2020 pra cá, teve um aumento substancial nos casos atendidos. A Defensoria, bem como a Rede de Proteção aos Idosos, está sempre apta a receber essas denúncias e tomar as medidas cabíveis de proteção aos idosos em situação de risco e vulnerabilidade social”, pontuou o defensor.

Durante o evento de abertura, houve a apresentação conjunta dos vocais Corais do Sesc, Unabi e Uniti, formados por integrantes idosos.

A professora Efigênia Magda, membro do coral e coordenadora do Programa Universidade Aberta Intergeracional (Unabi), falou sobre essa interação.

“Esse momento de integração de vozes é também de integração social, de exercitarmos o protagonismo da pessoa idosa por meio da música. O coral é um momento muito importante, que é de nós praticarmos a musicoterapia, que tem o poder de incluir e também de proporcionar bemestar, participação com alegria, ritmo, com voz e com toda expressão corporal que o coral requer”, disse a professora.

Para a aposentada Teresa Maranhão, membro do Boi Brilho do GEN, da Associação dos Amigos do Gerenciamento do Envelhecimento Natural (AAGEN), participar do momento foi muito gratificante. “Para nós é uma satisfação muito grande porque quando se fica idoso, a gente gosta de ser visto. Nos sentimos representados. Tantos anos a gente já colaborou com o estado, agora chegou a hora de se divertir, de mostrar a nossa competência para todo mundo ver. A Associação é a nossa meta de vida. Tudo que nós fazemos é voltada para nosso grupo”, explanou.

Houve ainda uma palestra sobre a “Alegria de envelhecer pra lá da violência!”, ministrada pelo corregedorgeral da DPE/MA, Aldy Mello de Araújo Filho; a exposição fotográfica Josué Montello intitulada “Velhices”, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Ifma).

O encerramento da solenidade ficou por conta do Boi Brilho do GEN, composto por aposentados do estado. PROGRAMAÇÃO Neste ano, o tema escolhido da campanha foi “Viver sem violência é o nosso ideal”.

A programação da Defensoria Pública será vasta e se estenderá até o dia 30 de junho, com realização de atendimento à comunidade, live e palestras, em diferentes pontos da capital e interior do estado.

Carregando