Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Procuradora é agredida com socos e chutes por colega de trabalho

As agressões teriam sido motivadas pela abertura de um processo administrativo contra o agressor, pela sua postura no ambiente de trabalho.

Procuradora foi agredida por diversas vezes no rosto por colega de prefeitura (Foto: Arquivo pessoal)

Um caso de agressão contra mulher foi registrado nessa segunda-feira, 20, na cidade de Registro, interior de São Paulo. A procuradora-geral do município, identificada como Gabriela Samadello Monteiro de Barros, de 39 anos, foi agredida com cotovelada, socos e pontapés, dentro da própria prefeitura. O acusado é um colega de trabalho da vítima, o também procurador Demétrius Oliveira Macedo, de 34 anos.

A agressão teria sido motivada pela abertura de um processo administrativo contra o procurador por conta de sua postura no ambiente de trabalho.

Gabriela Samadello estava no local de trabalho quando foi surpreendida pelo agressor, que começou os ataques com uma cotovelada na cabeça e depois desferiu socos no rosto da vítima.

Uma funcionária tentou interceder, mas foi empurrada contra a porta e bateu as costas na maçaneta. Enfurecido, Macedo continuou dando socos e chutes na procuradora, mesmo com outras duas pessoas tentando contê-lo. Todo o cenário de agressão foi registrado por câmeras do circuito interno, que ainda revela várias ofensas proferidas pelo agressor.

Assim que ouviram os gritos, outros dois funcionários do setor jurídico foram até o local e conseguiram controlar o procurador.

De acordo com a procuradora, em repoimento, Demetrius Macedo apresentava comportamento suspeito, e que já havia sido grosseiro com outra funcionária do setor. Ela afirmou que cobrou providências, pois se sentia ameaçada de trabalhar no mesmo ambiente com ele. A procuradora informou ter enviado um memorando à Secretaria Administrativa com uma proposta de procedimento administrativo.

A procuradora quer que Macedo seja processado em decorrência das agressões e ofensas contra ela.

Em nota, a Prefeitura de Registro manifestou “o mais absoluto e profundo repudio aos brutais atos de violência realizados pelo procurador municipal contra a servidora municipal mulher que exerce a função de procuradora-geral do município”.

“A administração municipal está tomando as providências necessárias e já determinou, de imediato, que o agressor seja suspenso, nos termos do art. 179, c/c inc. III do art. 180, ambos da Lei Complementar nº 034/2008 – Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Registro, com prejuízo de seus vencimentos, a partir de 21 de junho”.

O Executivo continuou: “reafirmamos nosso compromisso com a prevenção e enfrentamento a todas as formas de violência, principalmente aquelas que vitimizam mulheres.

Os servidores da Procuradoria-Geral Municipal e da Secretaria de Negócios Jurídicos receberão todo apoio necessário, inclusive acompanhamento psicológico”.

Carregando