Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Virgin é autorizada a operar foguete e Boeing 747 em Alcântara

O LauncherOne é um sistema que usa um Boeing 747-400 (ex-Virgin Atlantic), batizado de “Cosmic Girl”, para lançar foguetes espaciais

A Virgin Orbit, juntamente com a Agência Espacial Brasileira (AEB), anunciaram que a empresa recebeu formalmente uma licença de operadora para permitir as operações de lançamento do LauncherOne no Brasil. A licença é concedida à Virgin Orbit Brasil Ltda (VOBRA), uma subsidiária brasileira recém-formada e de propriedade integral dedicada a trazer o sistema de lançamento de foguetes LauncherOne para o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

O LauncherOne é um sistema que usa um Boeing 747-400 (ex-Virgin Atlantic), batizado de “Cosmic Girl”, para lançar foguetes espaciais em grandes altitudes, economizando combustível e barateando a operação, já que o Jumbo pode fazer quantos voos forem necessários em um só dia.

A Virgin destacou que a “Cosmic Girl” se beneficiaria da localização geográfica “voando centenas de quilômetros antes de lançar o foguete exatamente acima da Linha do Equador, um local privilegiado, ou em outras posições otimizadas de acordo com a missão individual de cada foguete”.

Atualmente, a “Cosmic Girl” é baseada na cidade de Long Beach na Califórnia, tradicional centro de formação e construção aeroespacial, e antiga sede da McDonnell Douglas, hoje parte da Boeing. O Jumbo usa o espaço-porto de Mojave, alguns quilômetros ao norte, para lançar o foguete LauncherOne com os satélites ou microssatélites dentro.

Apesar do anúncio, ainda não está claro como essa logística se dará, já que o Aeroporto de Alcântara não tem estrutura hoje para receber o Boeing 747. Os aeroportos adequados mais próximos seriam o de Belém ou Fortaleza.

“A expectativa é que Alcântara tenha a oportunidade de ser um dos poucos espaço-portos do mundo com capacidade de lançar foguetes na órbita. Todo o equipamento requerido para a operação será transportado, incluindo o foguete, a base de controle e o próprio avião. Isto permite que o time transporte seguramente o sistema completo, faça uma campanha de lançamentos e volte para uma das outras unidades da companhia sem precisar de nenhuma construção além da Base de Alcântara”, afirmou a Virgin.

A VOBRA destaca que a Base de Alcântara nunca foi usada para lançamentos orbitais, mas apenas foguetes suborbitários. A Força Aérea Brasileira também está envolvida no projeto, que deverá ter seu primeiro lançamento doméstico já em 2023.

Essa será a primeira base oficial da Virgin Orbit fora da Califórnia, já que a empresa ainda não confirmou suas instalações no Reino Unido, que devem ser no Aeroporto de Cornwall.

Carregando