Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Após nova vistoria, Capitania dos Portos libera ferryboat José Humberto para circulação

No novo documento emitido, a autoridade marítima entende que a embarcação possui condições de tráfego.

Ferry José Humberto foi liberado para navegar após nova vistoria da Capitania dos Portos (Foto: DIvulgação)

A Capitania dos Portos do Maranhão, após nova vistoria, liberou o ferryboat José Humberto para seguir em operação e realizar o serviço de travessia na baía de São Marcos, entre São Luís e Cujupe.

A Capitania dos Portos informou que não foram mais encontradas pendências listadas no Relatório de Inspeção. Na semana passada, o Ministério Público Federal havia emitido recomendação para suspensão da operação do ferry.

No novo documento emitido, a autoridade marítima entende que o ferryboat José Humberto possui condições de tráfego, uma vez que atende as exigências contidas nas normas expedidas, restando apenas uma pendência documental com prazo de 90 para ser sanada.

Entenda o caso

No último dia 8 de julho, a Capitania dos Portos do Maranhão acatou a recomendação feita pelo Ministério Público Federal (MPF) e retirou de operação o ferryboat José Humberto. Vinda do Pará, a embarcação foi contratada pelo Governo do Maranhão para realizar a travessia entre os Terminais da Ponta da Espera e Cujupe.

De acordo com o MPF, o ferry apresentava sérios problemas durante a sua operação, com diversas ocorrências relatadas pela população usuária do transporte. Foi determinado que a embarcação só poderia voltar a operar depois de solucionar as questões de ordem documental e estrutural observadas nas inspeções de avaliação técnica.

De acordo com nota divulgada pela Capitania dos Portos do Maranhão, no dia 21 de junho de 2022, foram encontrados problemas na documentação e nas condições estruturais do ferry boat, como, avarias de casco, meios de comunicação de segurança inexistentes, vazamento de óleo, dentre outras graves irregularidades. Além disso, vistoria realizada pelos agentes do MPF, no dia 28 de junho, aponta 24 graves deficiências na embarcação que prejudicam a segurança da navegação, da vida humana e do meio ambiente.

Carregando