Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

HTO promove ação referente à campanha do Julho Amarelo, mês de combate às hepatites virais

Como parte da programação, ocorreu uma palestra com o médico infectologista Dr. Clóvis Carneiro.

O médico infectologista Dr. Clóvis Carneiro realizou uma palestra sobre as hepatites virais (Foto: Divulgação)

O Hospital de Traumatologia e Ortopedia do Maranhão (HTO), unidade de saúde gerenciada pelo Instituto Vida e Saúde (INVISA), promoveu nesta sexta-feira, 29, uma ação em alusão à campanha do Julho Amarelo, referente ao combate das hepatites virais.

Como parte da programação, ocorreu uma palestra com o médico infectologista Dr. Clóvis Carneiro, que fez uma explanação sobre as formas de contato da doença e os meios de prevenção. O palestrante reforçou que a falta do conhecimento é o grande desafio, por isso, alertou para que todas as pessoas com mais de 45 anos de idade façam o teste, gratuitamente, em qualquer posto de saúde. Caso o resultado dê positivo, o tratamento está disponível na rede pública de saúde.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento para todos os tipos de hepatite, independentemente do grau de lesão do fígado.

Formas de contágio

As hepatites virais podem ser transmitidas pelo contágio fecal-oral, especialmente em locais com condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos; pela relação sexual desprotegida; pelo contato com sangue contaminado, através do compartilhamento de seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos perfuro-cortantes; da mãe para o filho durante a gravidez (transmissão vertical), e por meio de transfusão de sangue ou hemoderivados.

O contágio via transfusão de sangue já foi muito comum no passado, mas, atualmente é considerado raro, tendo em vista o maior controle e a melhoria das tecnologias de triagem de doadores, além da utilização de sistemas de controle de qualidade mais eficientes.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda, com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E, que é menos frequente no Brasil.

O HTO, além de primar pela eficiência no atendimento, também se preocupa em realizar ações constantes de conscientização referente à saúde pública.

Carregando