Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Polícia contesta versão apresentada pela defesa de suspeito de crime em São Luís

Em interrogatório, o suspeito manteve a negativa de autoria do crime

O publicitário levou um tiro no pescoço na Lagoa da Jansen (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil do Maranhão contestou a versão da defesa do suspeito de matar o publicitário Diogo Adriano Costa Campos, que alegou ter a placa do seu carro clonada, um Argo Vermelho. Segundo o delegado Wang Chao Jean, as devidas consultas já foram feitas ao Detran e essa possibilidade já está praticamente descartada.

“Não foram encontradas multas, está tudo limpo, e ninguém clona placa para andar limpo por aí. Mas se trata de uma tese normal da defesa, e nós ainda seguimos investigando para esclarecer completamente o caso”, afirmou o delegado.

A polícia acredita que o tiro foi disparado de dentro do veículo contra a vítima, já que a cápsula da bala não foi encontrada pela perícia no local. De acordo com Wang Chao Jean, o automóvel será periciado para colher impressões digitais e resquícios de pólvora, assim como testes nas mãos do suspeito.

Também como parte das investigações, a polícia fará o georreferenciamento no celular do suspeito, para identificar sua localização na hora do crime.

Apontado como o principal suspeito do crime, Ayrton Campos Pestana foi preso preventivamente no fim da noite dessa terça-feira, 16, e encaminhado para o Centro de Triagem de Pedrinhas.

Em interrogatório, o acusado manteve a negativa de autoria do crime, assim como a família dele, que se manifestou nas redes sociais com a alegação de que a placa do veículo teria sido clonada.

As investigações seguem pela Delegacia de Homicídios- Área Oeste para que se aperfeiçoem os indícios colhidos, reconstitua a materialidade e especifique a motivação do crime.

O caso

O crime aconteceu após uma discussão de trânsito entre Diogo Adriano Costa Campos, 41 anos, que é sobrinho do ex-presidente José Sarney, e Ayrton Pestana, apontado pela polícia como o principal suspeito.

De acordo com as primeiras informações, houve uma batida, e então aconteceu a discussão, que evoluiu para o crime.
Diogo é irmão de Gustavo Adriano, que foi diretor do Fórum Eleitoral do Maranhão, e filho de Conci Sarney.

A polícia analisa as imagens do circuito de vigilância da região para auxiliar na elucidação do crime. O caso ocorreu em frente ao antigo bar Por Acaso.

Diogo Costa estava num veículo da Renault, e, segundo informações, ia atrás do carro do autor dos disparos. Não se sabe ainda as circunstâncias do acidente.

Carregando