Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Travesti envolvida na morte de jovens que cavaram a própria cova é presa

Vítimas foram torturadas, mortas e os corpos enterrados após serem “julgadas” em um “tribunal do crime”.

Wiliane de Sousa Teófilo, de 21 anos, foi presa na manhã desta quinta-feira (Foto: Reprodução/TV Clube)

A Força Tarefa da Secretaria de Segurança Pública do Piauí (SSP-PI) realizou a prisão da travesti identificada como William de Sousa Teófilo, de 21 anos, suspeita de envolvimento na morte das adolescentes Joyce Ellen e Maria Eduarda, no dia 20 de março deste ano. As jovens foram obrigadas a cavar a própria cova em Timon, no Maranhão.

De acordo com o coordenador da Força Tarefa, major Audivam Nunes, os policiais localizaram a suspeita na zona rural de Teresina. “Conseguimos prender um dos envolvidos do crime que aconteceu na cidade de Timon onde teve duas jovens que foram executadas, obrigadas a cavarem as próprias covas. Ele estava escondido no Povoado São Vicente, zona rural de Teresina, demos cumprimento do mandado e conseguimos lograr êxito na sua prisão. Agora será apresentado para a Justiça do Maranhão”, informou.

Ainda segundo o major, a travesti confessou que foi a responsável por levar as duas adolescentes até o local do crime. Até o momento, sete pessoas foram presas porsuspeita de participação no crime. No total, dez foram indiciadas pela Delegacia de Homicídios de Timon.

O CASO 

Na manhã de domingo, 21 de março, populares encontraram os corpos de duas jovens enterrados dentro de uma cova rasa em um morro no bairro Parque Aliança, na cidade de Timon. As adolescentes foram identificadas como Joyce Ellen, de 16 anos e Maria Eduarda, de 17 anos.

Antes de serem assassinadas, as menores foram obrigadas a cavarem a própria sepultura. As duas jovens foram vistas pela última vez na noite de sábado (20). Os assassinos fotografaram Maria Eduarda e Joyce Ellen ainda vivas, em pé, dentro da sepultura fazendo o número quatro com os dedos. Em um vídeo gravado por uma mulher, as vítimas aparecem cavando a própria cova e falam sobre um possível crime anterior.

Carregando