Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

PM faz buscas para prender tenente e soldado supostamente envolvidos em assassinato

Militares são suspeitos de envolvimento na morte de um auxiliar de perícia médica da Polícia Civil.

O perito Salomão Matos dos Santos foi morto a tiros na UPA do Parque Vitória (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS – A Polícia Militar do Maranhão realiza diligências para localizar e prender o tenente E. do N. S. e o soldado I. T. L., suspeitos de envolvimento no assassinato do auxiliar de perícia médica da Polícia Civil, Salomão Matos dos Santos, de 42 anos. O crime ocorreu na madrugada do dia 29 de janeiro deste ano, no bairro do Parque Vitória.

Em desfavor dos dois militares, foram expedidos mandados de prisão, há pouco mais de um mês, conforme apurado pelo Jornal Pequeno. A informação sobre as buscas por ambos também foi confirmada à reportagem pelo comandante da PMMA, coronel Pedro Ribeiro.

A morte do auxiliar de perícia está sendo investigada pela Superintendência de Homicídios de Proteção à Pessoa (SHPP), onde os militares se apresentaram, no dia 1º de fevereiro, três dias depois do crime. Após prestarem depoimentos por mais de seis horas, eles foram liberados, porque não havia mais flagrante.

Os advogados da dupla, por meio de nota, alegaram que a morte de Salomão Matos foi em legitima defesa e uma tragédia registrada logo depois do latrocínio do tenente-coronel Ronilson Gomes, ocorrido no Residencial Pinheiros.

“Trata-se de uma tragédia, consequência do ataque brutal ao tenente-coronel Ronilson, ocorrida sob o pálio da legítima defesa, visto que um dos constituintes apresenta lesão cutânea decorrente de disparo de arma de fogo deflagrado, felizmente, contra o colete que utilizava no fatídico dia”, disse trecho da nota, afirmando, ainda, que os policiais se apresentaram espontaneamente, visando colaborar com as investigações.

O titular da Secretaria de Segurança Pública do Estado, Jefferson Portela, na época, se manifestou sobre o caso. O secretário questionou os motivos que levaram o tenente e o soldado a não socorrerem a vítima; e, também, a demora em se apresentarem como autores da ação que vitimou Salomão Matos.

TENENTE HAVIA SIDO EXPULSO DA PM

O tenente E. do N. S. havia sido expulso da PMMA, em outubro de 2016, mas, retornou à corporação, após decisão do Tribunal de Justiça, menos de um ano depois. A expulsão foi resultado de uma sindicância que apurou o envolvimento do policial em crime de ameaça contra outro tenente da instituição.

O militar também chegou a ser investigado por extorsão contra cadetes, alunos do Curso de Formação de Oficiais, no ano de 2014, de quem supostamente exigia favores para não os punir.

RELEMBRE O CRIME

Salomão Matos dos Santos, de 42 anos, foi morto na madrugada do dia 29 de janeiro deste ano, no bairro do Parque Vitória. Ele foi baleado e caiu a 150 metros da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro.

Segundo a Polícia Civil, a vítima estava voltando de férias e, ao sair da Ponta da Espera, pegou um carrinho lotação na companhia de outras pessoas. Já próximo ao Posto Natureza, no bairro do Turu, o auxiliar de perícia teria percebido um veículo, modelo Duster branco, seguindo o carro que ocupavam. Nesse momento, conforme a polícia, teria ocorrido um comando de parada feito pelos suspeitos, e a vítima pediu para que o motorista continuasse a dirigir, tendo ele parado apenas no estacionamento da UPA, também por sugestão do auxiliar de perícia.

No local, todos desceram do carro e se iniciou a troca de tiros entre os suspeitos e Salomão, que ainda correu, mas morreu antes de ser socorrido.

Carregando