Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Preso no estado de Goiás mais um envolvido no latrocínio do tenente-coronel Ronilson

Militar foi morto em janeiro de 2021, na porta de sua casa, no Residencial Pinheiros.

Paulo Ricardo quando chegava à SHPP, depois de ser preso suspeito pela morte do tenente-coronel Ronilson (Foto: Divulgação)

Policiais civis da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) cumpriram mandado de prisão preventiva, na cidade de Luziânia, no estado de Goiás, em desfavor de Paulo Ricardo do s Santos Pereira, de 22 anos. Ele é mais um envolvido no latrocínio (roubo que resulta em morte) do tenente-coronel da Polícia Militar Ronilson Gomes Pinto. O crime ocorreu no dia 28 de janeiro do ano passado, na porta da casa do militar, no Residencial Pinheiros, em São Luís.

Durante entrevista coletiva à imprensa, na tarde de ontem (9), o delegado Marconi Matos, responsável pelo caso, explicou que as investigações, a princípio, apontaram o suspeito como autor dos disparos que alvejaram o militar.

Paulo Roberto estava escondido na casa de parentes, em Luziânia, e foi capturado na segunda-feira (7), em um hospital da cidade, onde deu entrada horas antes, após ter sofrido um acidente doméstico. A ação contou com apoio da Polícia Civil de Goiás.

Ainda de acordo com o delegado, ele negou que estava no momento do latrocínio. “Ele disse que não fez e afirmou ter levado o veículo usado no crime de um dos investigados para o outro que o alugou. Mas, nós sabemos que ele também participou”, explicou.

Marconi também ressaltou que todos os envolvidos no crime estão identificados e apenas um segue foragido. “O grupo faz parte de uma espécie de quadrilha especializada em assaltos na Grande Ilha”, frisou.

OUTROS PRESOS

Em fevereiro e abril, do ano passado, outros dois suspeitos foram presos pela polícia por participação no latrocínio. O primeiro, Leonardo Souza, de 30 anos, morador da Maiobinha, era o dono do automóvel, um Peugeot cinza, utilizado na ação e abandonado pelos autores logo depois. Contra ele, também foram encontrados outros mandados de prisão em aberto, inclusive por roubo.

No bairro da Cohab, pouco mais de dois meses depois do crime, policiais capturaram Leonardo Matos Brandão, que era quem dirigia o carro no dia. A polícia o apontou como responsável por conseguir os carros e até armamentos para o cometimento das mais diversas ações criminosas, além de ter feito o levantamento dos imóveis alvos de roubos do grupo.

O CRIME

O tenente-coronel Ronilson Gomes Pinto foi assassinado após reagir a um assalto na porta de sua casa, localizada na Rua três, do Residencial Pinheiros, no dia 28 de janeiro de 2021.

De acordo com informações da perícia, ele foi atingido com pelo menos seis tiros. Os suspeitos chegaram em um Peugeot cinza, abandonaram o carro e fugiram a pé levando a pistola da vítima, que nunca foi localizada.

Carregando