Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Suspeito de sequestrar e colocar explosivos no corpo de funcionário de um banco em Codó é preso no Piauí

Outros dois indivíduos envolvidos na ação criminosa morreram em confronto com a polícia, na zona rural de Caxias/MA.

Suspeito foi preso em Teresina (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil do Maranhão, por meio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), cumpriu mandados de prisão temporária contra um suspeito identificado somente como “Irmão”, que teria participado do sequestro de um funcionário do Banco do Brasil, na cidade de Codó, no mês de novembro de 2020. A prisão aconteceu na cidade de Teresina, capital do Piauí, na tarde de quarta-feira (13).

Os mandados de prisão foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de São Luís, em desfavor de “Irmão” e de outro suspeito de ter participado da ação criminosa. Vale lembrar que o sequestro contra o funcionário do Banco do Brasil de Codó ocorreu no dia 17 de novembro, do ano passado, ocasião na qual os assaltantes chegaram a amarrar um explosivo na cintura da vítima.

O comparsa de “Irmão” já havia sido capturado por equipes da Seic, ainda no mês de novembro de 2020, em flagrante por uso de documento falso e em cumprimento a mandado de prisão definitiva expedido pelo Poder Judiciário do Estado do Ceará.

Outros suspeitos morreram em confronto com a polícia

Dois suspeitos de participação no assalto ao Bando do Brasil em Codó morreram durante confronto com a polícia, no dia 17 de novembro de 2020, na zona rural de Caxias/MA.

De acordo com o coronel Jurandir de Sousa Braga, os indivíduos fugiram de Codó usando dois veículos, após perceberem que a polícia já estava em ação. Eles abandonaram a família do gerente próximo ao KM 17 e passaram pela barreira em fuga.

Os suspeitos chegaram a Caxias e se refugiaram em uma área de mata. No entanto, a PM já estava no encalço dos fugitivos, e houve troca de tiros. Os indivíduos foram baleados e morreram a caminho do Hospital Macrorregional de Caxias.

Os dois suspeitos mortos estavam com identidade nos bolsos, mas a polícia resolveu não divulgar os nomes porque está analisando se os documentos são falsos, como de praxe nestes casos.

Ainda em Codó, outros três suspeitos foram presos após a ação criminosa e foram levados à delegacia para prestar depoimento.

O caso

O assalto ao Banco do Brasil de Codó foi iniciado na manhã do dia 17 de novembro, na cidade de Codó. De acordo com a polícia, os bandidos fizeram a família do gerente de refém e o obrigaram a ir até à agência para terem acesso ao cofre. Na tentativa de intimidá-lo, os elementos colaram explosivos junto ao corpo do funcionário.

Quando perceberam a presença da polícia, os suspeitos conseguiram fugir, sem levar nada, mas três foram capturados. O esquadrão antibomba seguiu para o município de helicóptero, entrou na agência  e retirou os artefatos presos junto ao corpo do gerente, identificado como Antônio Miranda. O material será analisado pela perícia.

O coronel Jurandir de Sousa Braga informou que a família do gerente foi liberada na zona rural de Codó, e o gerente do banco saiu ileso, apesar do susto. Segundo o oficial, os explosivos tinham a função apenas de intimidar, pois não teriam como ser detonados.

De acordo com a Polícia Militar, três suspeitos foram presos e estão sendo interrogados na delegacia, enquanto outros assaltantes fugiram no sentido da zona rural do município de Caxias, e foram perseguidos com o auxílio do helicóptero do Centro Tático Aéreo (CTA).

Carregando