Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Polícia Civil interroga suspeita de participação na morte de duas adolescentes em Timon

Vítimas foram obrigadas a cavar a própria cova antes de serem mortas a golpes de foice, facão, pá e pedaços de madeira.

Suspeita foi presa no Rio Grande do Sul (Foto: Divulgação)

A Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de Timon interrogou na última quarta-feira (12), a jovem E. L. S, de 19 anos, suspeita de mandar torturar e executar as adolescentes Maria Eduarda de Sousa Lira, 17 anos; e Joyce Ellen dos Santos Moreira, 16. As vítimas foram mortas pelo núcleo feminino de uma facção criminosa, no dia 21 de março deste ano, em Timon.

“Japa”, como é mais conhecida no mundo do crime, foi presa no dia 23 de abril, em Carlos Barbosa (RS) e desembarcou no aeroporto de Teresina (PI) sob forte escolta de policiais do DHPP e do Grupo de Pronto Emprego da Delegacia Regional.

Leia mais: Polícia prende no RS suspeita de comandar execução de adolescentes em Timon

De acordo com o delegado Antônio Valente, a suspeita, negou sua participação nos crimes, mas as investigações não deixam dúvidas que ela faz parte do núcleo feminino de uma facção criminosa e que seria a mandante das mortes.

“Iremos confrontar tudo que coletamos com as investigações com o que ela está dizendo. Ainda vamos avançar muito nas investigações e tudo será devidamente esclarecido. Ela nega inclusive que faz parte de facção criminosa, mas isso é de normal, pois os criminosos quando são presos não falam que são faccionados e mentem. Essa jovem nega e diz que não sabe, disse que sequer se encontrava no local e que apenas a casa dela era próxima”, disse Valente.

Segundo o delegado, durante busca na casa de “Japa” foram encontradas peças de roupas das vítimas, e testemunhas também disseram que viram as adolescentes antes da morte na residência da suspeita.

“Testemunhas que não querem aparecer por medo de represálias relataram que viram as vítimas na casa da acusada. Outro forte indício que temos é que foram encontradas na casa da acusada peças de roupas que pertenciam às vítimas. Nossas investigações estão avançando e com a prisão dela iremos chegar ao desfecho em questão de pouco tempo”, afirmou Antônio Valente.

O delegado disse que mais pessoas serão presas no decorrer das investigações, já que a polícia encontrou provas contundentes da participação de outros suspeitos. “Estamos caminhando para identificar e prende todos os envolvidos. É óbvio que outras pessoas participaram do crime até pelo vídeo que foi gravado. Estamos avançando e vamos concluir com a prisão de todos”, finalizou o delegado.

Carregando